Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sinais de exaustão

Lei das interceptações tem de ser revista, defende ministro

O modelo de interceptação telefônica já começa dar “sinais de exaustão”. É preciso responsabilidade de quem tem acesso a informações sigilosas e uma revisão da lei do grampo. A constatação é do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes.

Reportagem do Estado de S. Paulo informa que o ministro entende ser necessário a discussão de um novo projeto de lei para regulamentar as escutas. Mas não é só. Mendes considera importante uma “atitude de autodisciplina por parte dos órgãos responsáveis pela interceptação”.

Gilmar Mendes alertou para os vazamentos, que em determinado contexto e com um propósito específico pode fazer com que haja uma condenação prévia de uma pessoa, sem que isso se confirme posteriormente. Em entrevista coletiva, o ministro criticou o vazamento de informações e a falta de apuração e punição dos que divulgam os dados.

“Lamento muito, mas na verdade todos nós estamos numa posição de bastante desconforto com essa situação. Todos nós também ficamos irados com toda exposição a que estão submetidos homens públicos a partir de determinadas atitudes que são imputáveis ao aparelho policial”, afirmou o ministro ao ser informado de que policiais federais ficaram “irados” com suas críticas.

O ministro reconheceu a dificuldade de identificar quem vaza as informações. “É claro que na medida em que se amplia o conhecimento sobre esses dados também existe a possibilidade de se ampliar os vazamentos”, afirma.

Gilmar Mendes se reuniu, em São Paulo, com os presidentes dos 5 Tribunais Regionais Federais. Ele voltou a apontar para agentes federais quando condenou a violação do segredo sobre escutas telefônicas e outros dados pertinentes a inquéritos. O ministro afirmou que vazamentos que colocam pessoas dignas sob os “maus olhos da população”, com intenção de manipular, deixa todos indignados.

“Criou-se uma cultura no sentido de que aquilo que é eventualmente afirmado por um dado sujeito, em geral pessoas de muito má reputação, assume uma credibilidade que parece a revelação do Evangelho. É extremamente preocupante que se tome como verdades aquilo que é dito por pessoas com idoneidade altamente questionável. Então, é bom que tenhamos bastante cautela”, alertou.

Para o ministro, é preciso discutir o tema com seriedade e cobrar responsabilidade na divulgação de dados. “ Vivemos situações extremamente constrangedoras e deletérias para a credibilidade da própria Justiça”, afirmou.

Revista Consultor Jurídico, 5 de julho de 2008, 14h22

Comentários de leitores

4 comentários

O problema não são as interceptações, que têm r...

PJMPSP (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

O problema não são as interceptações, que têm rendido bons frutos nas investigações do crime organizado, inclusive na prevenção de crimes graves, permitindo que a polícia se adiante a ações criminosas de grande monta. O problema ocorre com a revelação indevida de dados sigilosos pela imprensa. Restringir as interceptações seria "vender o sofá". Dever-se-ia combater a publicação e divulgação indevida dos dados, com a punição de TODOS os responsáveis pela divulgação indevida. Não entendo como direito de informação poder se divulgar dados sigilosos. Vão dizer que é censura... Não é, é o respeito às regras, também necessário para a Democracia.

A lei deve mudada para proibir a escuta dos tel...

jose brasileiro (Outros)

A lei deve mudada para proibir a escuta dos telefones: Dos advogados; De juizes; De promotores; De empresarios; De politicos; Do "resto" PODE.... Hoje tudo mundo tem medo da policia federal, tem mais medo do que de decisão judicial....

A PF acostoumou-se tanto a ter suas interpretaç...

olhovivo (Outros)

A PF acostoumou-se tanto a ter suas interpretações virarem "revelação do evangelho" que, ao investirem contra o STF, saiu tosqueada.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 13/07/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.