Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Apagão da internet

Tribunais de SP suspendem prazos por causa de pane na internet

O desembargador Vallim Bellocchi, presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, e a desembargadora Marli Ferreira, presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (SP e MS), concordaram com a idéia de suspender os prazos processuais diante da pane da internet que atingiu o estado nesta quinta-feira (3/7). A proposta foi apresentada pela seccional paulista da OAB.

Segundo a entidade de advogados, muitos dos atos processuais atualmente são feitos pela internet. “A devolução dos prazos irá evitar prejuízos ao jurisdicionado”, diz nota da OAB.

Nesta terça, o sistema de dados da Telefonica sofreu uma pane afetando grande parte dos usuários de internet do estado. A rede de comunicação das polícias Civil e Militar, do Detran, do Corpo de Bombeiros e da CET estão fora do ar. Foram afetados ainda serviços do governo estadual e do Poupatempo.

Agências bancárias e casas lotéricas também estão com problemas. Segundo a Secretária de Segurança de São Paulo, algumas delegacias estão fazendo os boletins de ocorrência manualmente.

A Telefônica anunciou que uma “ocorrência técnica em alguns equipamentos está afetando parcialmente sua rede de transmissão de dados” desde a tarde de quarta-feira (2/7). A empresa não informou a estimativa de quando a situação deve ser normalizada e nem forneceu detalhes sobre o problema.

Segundo informações da rádio CBN, o problema aconteceu no roteamento da rede principal da Telefonica por onde passam dados de grandes empresas e governo e que faz a interligação dos sistemas de grandes cidades.

O Procon afirma que já notificou a Telefonica sobre a pane para prestar esclarecimentos. A empresa tem um dia para dizer o que causou o problema, o dia e a hora em que ele foi detectado, quem e quantos são os afetados. Além disso, o Procon também solicitou que a Telefonica informe quais serão as providências tomadas para reparação do problema e dos usuários.

Revista Consultor Jurídico, 3 de julho de 2008, 19h34

Comentários de leitores

2 comentários

Como bem dizia reiteradamente J.M.: "É por isso...

Fabris Neto (Defensor Público Estadual)

Como bem dizia reiteradamente J.M.: "É por isso que o Brasil não vai pra frente, nem daqui um milhão de anos!"

Agora, CABE AO MINISTÉRIO PÚBLICO DE SÃO PAULO ...

Carlos (Advogado Sócio de Escritório)

Agora, CABE AO MINISTÉRIO PÚBLICO DE SÃO PAULO abrir um INQUÉRITO CIVIL para depois em sede de AÇÃO CIVIL PÚBLICA proposta pela PROMOTORIA DO CONSUMIDOR, pedir a condenação da TELEFÔNICA por danos coletivos. Nesse caso, não cabe nem a alegação de caso fortuito ou força maior. Empresa do porte da Telefônica É OBRIGADA A TER UM SISTEMA DE EMERGÊNCIA/CONTINGÊNCIA, o que não tem. Em país de primeiro mundo, a tal Concessionária (que fatura BILHÕES. SOU A FAVOR DO MUNADO CAPITALISTA MAS COM AS DEVIDAS RESPONSABILIDADES PELOS DANOS CAUSADOS A MILHÕE DE PESSOAS), seria multada pela falta de planejamento para emergência (quem trabalha na área de informática sabe o que é contigência...) em milhões. MAS AQUI NA TERRA DA MÃE JOANA... A população lesada, aguarda uma posição do Ministério Público, em especial da Promotoria do Consumidor. Tenho certeza que não preciso dizer as normas legais infringidas... Carlos Rodrigues berodriguess@yahoo.com.br

Comentários encerrados em 11/07/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.