Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Vazamento de informações

Conselho Federal da OAB vai interpelar ministro da Justiça

O presidente nacional da OAB, Cezar Britto, vai interpelar nesta sexta-feira (4/7) o ministro da Justiça, Tarso Genro, para que ele aponte o nome dos advogados que vazam para a imprensa informações sigilosas de inquéritos abertos pela Polícia Federal. “É lamentável ler uma declaração deste tipo do ministro da Justiça principalmente porque os advogados estão acostumados neste governo a sofrer todo tipo de dificuldade para ter acesso aos processos de seus clientes na Polícia Federal”, afirmou Britto.

Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, Genro disse que os vazamentos por parte de agentes da Polícia Federal são coisa do passado e colocou nos advogados a culpa pela divulgação indevida de informações. Segundo ele, os advogados se tornam fontes da imprensa e “divulgam parte dos depoimentos que interessam aos seus clientes”.

De acordo com o presidente da OAB, é grande o número de reclamações dos advogados em relação aos processos que correm na Polícia Federal. “Primeiro, os advogados tomam conhecimento do processo pela imprensa e depois sofrem vários dias para obter informações dos envolvidos.”

Britto afirmou que a PF só deixou de lado as pirotecnias das operações depois de insistentes reclamações dos dirigentes da Ordem dos Advogados do Brasil. No entanto, “está patente que há uma represália da instituição, que é ligada diretamente ao Ministro da Justiça, em relação ao trabalho profissional dos advogados”, afirmou.

O presidente da Comissão Nacional de Prerrogativas da OAB, Alberto Zacharias Toron, também reagiu indignado às afirmações de Tarso Genro. Para Toron, a afirmação deve ser tachada, “no mínimo, de absurda”.

Para Toron, seria o caso de perguntar ao ministro da Justiça se o vazamento de informações no caso lembrado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, teria sido feito pelo advogado que, “descontente com a liberdade de seu cliente, resolveu intimidar o ministro do STF”.

Em entrevista coletiva na terça-feira (1/7), o ministro Gilmar Mendes cobrou da Polícia Federal e do Ministério Público a apuração do caso no qual, logo após ter concedido a liberdade a um preso na Operação Navalha, houve a divulgação de que ele estava na lista das autoridades que receberam mimos da empreiteira Gautama, investigada na operação. O verdadeiro nome na lista era outra pessoa: o engenheiro Gilmar de Melo Mendes.

Revista Consultor Jurídico, 3 de julho de 2008, 20h52

Comentários de leitores

10 comentários

A chance de que um policial desonesto vaze info...

Gauderio ()

A chance de que um policial desonesto vaze informações é diferente da chance de que um advogado desoneste também o faça? Ora, se há reiteradas reclamações, sem provas, de vazamentos feitos pela PF, por que não aplicar o mesmo raciocínio aos advogados?

Estão querendo transformar uma declaraçãozinha ...

Comentarista (Outros)

Estão querendo transformar uma declaraçãozinha banal num fato político, como, aliás, foi feito outras vezes pela OAB nacional. É que, ao invés de lutar para reerguer - de fato - a sofrida classe dos advogados, a OAB nacional parece preferir o aplauso fácil e os holofotes midiáticos, além de servir de verdadeira "porta voz" da oposiçãozinha tupiniquim, o que é uma pena... Quanto à PF, está de parabéns, pois, ao contrário do (des)governo do outrora falastrão e hoje quase gagá FFHH, o atual governo deu total independência à PF, que prendeu, entre outros, até mesmo presidente de TJ em exercício (fato simplesmente impensável há alguns anos neste país). Isso sem falar que até mesmo a família do presidente da república (quiçá ele próprio) foram investigados pela PF. E tem "gênio" por aí insinuando que a PF seria "palaciana" (sic)... Por favor, respeitemos mais a inteligência alheia, ok?

Os advogados estão virando uma espécie de "bode...

Émerson Fernandes (Advogado Autônomo - Civil)

Os advogados estão virando uma espécie de "bode expiatório". A quem interessa o enfraquecimento dessa categoria tão fundamental no Estado Democrático de Direito?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 11/07/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.