Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Dívida trabalhista

Depositário infiel não consegue suspender prisão civil no TST

A prisão civil do depositário infiel não tem caráter de pena, mas de coerção, com a finalidade de fazer cumprir a ordem de apresentação dos bens ou de seu equivalente em dinheiro. Com base neste entendimento, a Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI-2), do Tribunal Superior do Trabalho, negou Habeas Corpus ajuizado pelo gerente de uma empresa que se recusou a entregar veículos penhorados para o pagamento de sentença trabalhista.

Na ação trabalhista, a Dario Central de Peças e a Dario Distribuidora de Peças foram condenadas a pagar R$ 59, 8 mil a um ex-empregado. Como não houve pagamento do débito, foi determinada a penhora “online” de contas bancárias e a expedição de ofícios ao Detran e à Delegacia da Receita Federal para o levantamento de bens penhoráveis.

Em janeiro de 2007, as partes celebraram acordo no valor de R$ 5 mil. Como a quitação, mais uma vez, não ocorreu no prazo determinado, o acordo não foi homologado. No prosseguimento da execução, veículos da empresa foram penhorados e adjudicados (repassados como pagamento da dívida) ao empregado. Mas o oficial de justiça encarregado do cumprimento do mandado de entrega relatou, nos autos, que não localizou os bens nem o depositário infiel, que, segundo informações do gerente, havia viajado.

Ameaças

A empresa informou que os bens já teriam sido entregues, mas a declaração apresentada para comprovar a alegação não foi assinada pelo empregado e sim pelo próprio depositário infiel. Em juízo, o empregado afirmou que “foi ameaçado de morte e agredido com uma cabeçada e foi obrigado a passar um recibo de entrega dos veículos ao gerente”. E mais: que no momento da assinatura uma viatura da Polícia Militar acionada por sua mulher conduziu as partes ao Distrito Policial, onde foi lavrado boletim de ocorrência.

Por não entregar os bens, a 16 ª Vara do Trabalho de São Paulo expediu mandado de prisão do depositário infiel e determinou o prosseguimento da execução. O gerente então entrou com o Habeas Corpus negado pelo Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região.

No TST, o depositário alegou não ter sido intimado para a entrega dos bens e sustentou a ilegalidade do ato da juíza da 16ª Vara do Trabalho, que condicionou a homologação do acordo ao pagamento das custas. O ministro Pedro Paulo Manus negou o pedido com base na “ausência de vontade da parte de entrega dos bens, inclusive se utilizando de violência para forçar o trabalhador a falsificar a quitação de parte da dívida”.

ROHC-12670/2007-000-02-00.2

Revista Consultor Jurídico, 20 de fevereiro de 2008, 11h39

Comentários de leitores

1 comentário

Infelizmente existe o falso presentimento do pr...

helsue (Professor)

Infelizmente existe o falso presentimento do protecionismo arraigado que jamais configurará justiça. Nos dissídos deveriam ver apenas a razão de quem tem e não a proteção aos "HIPOSUFICIENTES". Agora os valores encontrados muitas vezes são absurdos e mesmo assim não são deferidos. Por que não cobrar o justo contratado? O que a lei manda. Porque não penalizar o advogado que encontrou tais valores e indeferir? Precisamos mudar, então por que não conferimos o que diz o art. 5o. da CF. Será que todos devem ser iguais perante a Lei?

Comentários encerrados em 28/02/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.