Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Palavras do Mensalão

Roberto Jefferson afirma ter recebido R$ 4 milhões do PT

O presidente do PTB e ex-deputado federal Roberto Jefferson recusou o benefício de delação premiada durante depoimento prestado na terça-feira (12/2). Jefferson é réu no processo do Mensalão e foi interrogado pelo juiz Marcelo Granado da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro. As informações são da Agência Brasil.

Em seu depoimento, o deputado cassado afirmou ter recebido R$ 4 milhões do PT para seu partido. Jefferson disse que, como réu, só poderia falar sobre sua própria atuação. “Reitero, confirmo, ratifico todas as informações que dei no passado. Mas entendo que o momento era outro, era político. Agora nós temos a tribunalização dessas questões e a minha presença aqui não é como testemunha política, é de acusado. Como acusado, falarei sobre os fatos a mim imputados.”

Respondendo à pergunta do juiz sobre se José Dirceu chefiava o esquema do Mensalão, Jefferson disse que ele “era o ministro político do governo Lula e que todos os acordos políticos entre o PT e o PTB passavam por ele”.

Ele explicou que o acordo envolvendo o repasse de R$ 4 milhões era para as candidaturas de vereadores e prefeitos do PTB, em troca do apoio petebista aos petistas em algumas capitais. “O PT alardeava um caixa de R$ 120 milhões. Nós ajustamos o apoio do PT nessas capitais e a contrapartida de financiamento do PTB em outros estados: R$ 20 milhões. A primeira parcela foi cumprida, mas aí deu problema, porque não havia recibo. Os R$ 4 milhões iniciais foram cumpridos, os demais R$ 16 milhões, não.”

Jefferson afirmou ainda que, em campanhas partidárias, “é assim que funciona, infelizmente. Dinheiro de eleição nunca é totalmente declarado. Das eleições que eu participei, quero dar o meu testemunho pessoal, 20% do real são declarados e 80% não se consegue declarar”.

O deputado cassado atacou, por várias vezes durante o depoimento, o Ministério Público. “O Ministério Público aderiu a essa atitude policial mais barata, que não tem responsabilidade pela denúncia que faz. Fala de todo mundo que quer falar, vaza antes a notícia, destrói reputações. E os heróis são os meninos do Ministério Público. É triste o país em que seus heróis têm que ser os denunciadores da ação penal e os chefes de delegacia”.

A Justiça Federal tem interrogatórios marcados até o final deste mês para ouvir denunciados no processo do Mensalão. O ex-deputado Carlos Rodrigues (PL-RJ) será interrogado nesta quarta-feira (13/2). Na quinta-feira (14/2), está previsto o depoimento de Henrique Pizzolato, ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 13 de fevereiro de 2008, 17h39

Comentários de leitores

8 comentários

PELO VISTO O EX-DEPUTADO DEVE TER JOGADO OS 4 M...

gilberto prado (Consultor)

PELO VISTO O EX-DEPUTADO DEVE TER JOGADO OS 4 MILHÕES AO VENTO OU MANDOU PARA UM PARAISO FISCAL. E ATE AGORA A RECEITA FEDERAL NÃO VASCULHOU A VIDA DO CIDADÃO. SE FOSSE UM ZE-MANE, COM CERTEZA A RECEITA ESTARIA FAZENDO A SUA MORDIDA

Roberto Jefferson fica por merecer uma estátu...

Richard Smith (Consultor)

Roberto Jefferson fica por merecer uma estátua em cada praça pública deste País. Por ter escancarado as entranhas e as táticas do (des)governo do partido "que não rouba, nem deixa roubar". E em coisa seríssima: a cooptação CRIMINOSA de membros de um Poder por um outro e com DINHEIRO PÚBLICO. Pena que ao povo, pobre povo, ninguém tenha informado direito e que a "oposição" (que oposição?) criminosa e cúmplice, tenha deixado passar batido. Mas dias outros virão, ah se virão!

E O PT pegou dinheiro aonde, da venda de broch...

Bira (Industrial)

E O PT pegou dinheiro aonde, da venda de broches e camisetas? Ah sei, eu não sabia de nada...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/02/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.