Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Desorganização interna

Procuradora do Ibama consegue aposentadoria de volta

O Supremo Tribunal Federal anulou processo administrativo que cassava a aposentadoria da procuradora jurídica do Ibama Alzira de Almeida Pinto da Silva. Ela era acusada de ter usado o cargo para conseguir vantagens para ela e para outros funcionários do órgão.

No processo administrativo, o Ibama alegou que ela não esgotou todos os recursos processuais contra a decisão que obrigou o instituto a pagar as correções salariais das perdas dos planos Bresser e Collor. Na época (1992 a 1996), a servidora era chefe da procuradoria jurídica do instituto em Florianópolis. Cerca de 300 servidores e a própria procuradora foram beneficiados pela sentença, diz o Ibama.

Ao final do processo administrativo, a comissão de sindicância reconheceu a inocência de Alzira em relação à acusação de ter perdido o prazo para recorrer da sentença. Mas ela foi acusada também por outros ilícitos administrativos, como o de ter se beneficiado da decisão. Por isso, a comissão propôs a cassação da sua aposentadoria.

A maioria dos ministros do STF julgou que a própria comissão de sindicância atribuiu a perda de prazo para recorrer à desorganização do Ibama em Florianópolis, que não tinham nem uma assinatura do Diário da Justiça para acompanhar processos judiciais.

O ministro Gilmar Mendes, que em 2004 foi o primeiro a votar para anular o processo administrativo, reafirmou nesta segunda-feira (11/2) seu posicionamento. “O exame dos documentos demonstra à saciedade que as faltas imputadas à impetrante [a procuradora] não restaram configuradas” e que as falhas identificadas “são de natureza fundamentalmente estrutural [do Ibama]”.

“Demonstrou-se bem que as falhas detectadas não são imputáveis à impetrante. Na verdade, algumas das alegações e das acusações deduzidas contra a própria impetrante resultam mais de questões de ordem estritamente estrutural [do Ibama]”, disse Celso de Mello.

MS 23.041

Revista Consultor Jurídico, 12 de fevereiro de 2008, 0h01

Comentários de leitores

3 comentários

Se foi constatado que há erro na estrutura admi...

Murassawa (Advogado Autônomo)

Se foi constatado que há erro na estrutura administrativa do IBAMA, isto já foi corrigido e quanto aos prejuizos que a procuradora teve com a cassação da aposentadoria, ela foi indenizada ou ficou por conta do abreu, assim como, quem propos a punição à procuradora anteriormente é que deve ser punido agora em não ter observado que havia essa falha no procesimento/estrutura administrativa.

O papel aceita qualquer coisa, estes ministros ...

Diaz (Contabilista)

O papel aceita qualquer coisa, estes ministros do STF precisariam ter um acompanhamento de uma espécie de investigação técnica, com peritos de sua confiança, que ouvissem as pessoas, que conhecessem o contexto deste caso aqui em Santa Catarina, e também conhessecem esta procuradora do Ibama, seus envolvimentos, sua postura, etc. Com certeza, ao invés da aposentadora ela receberia um pijama listrado de preto e branco.

A procuradora do IBAM/SC foi punida em razão do...

ACUSO (Advogado Autônomo - Dano Moral)

A procuradora do IBAM/SC foi punida em razão do denuncismo descontrolado que grassa aqui no sul do nosso Brasil! Os arrogantes denuncistas denunciam apenas para ver a queda do denunciado! Nota 10 para a nossa Suprema Corte!

Comentários encerrados em 20/02/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.