Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Vara de Acidentes

Juíza acusada de ligação com traficante é promovida novamente

Por 

Na próxima segunda-feira (10/2), a juíza Olga Regina Guimarães começa a trabalhar na 2ª Vara de Acidentes de Veículos de Salvador. A promoção foi anunciada na quinta-feira (7/2). Ela é investigada pelo Ministério Público por suspeita de ligações com o traficante de drogas colombiano Gustavo Duran Bautista, preso em agosto de 2007, no Uruguai, ao ser flagrado com 435 kg de cocaína. A droga era do grupo colombiano de Juan Carlos Abadía, preso em São Paulo também no ano passado. Ela inocentou o traficante Duran e teve conversas suspeitas com ele - todas gravadas com ordem judicial.

No ano passado, a juíza já tinha sido promovida. Ela fez parte de um grupo de 50 juízes transferidos do interior para Salvador e promovidos por antigüidade ou merecimento. No caso de Olga, foi por antigüidade.

Em 2001, a Polícia Federal havia encontrado cocaína em caixas de frutas com fundo falso em uma fazenda de Gustavo Duran. O Ministério Público desconfiou da ligação entre o colombiano e a juíza. O desembargador Antônio Roberto Gonçalves, do Tribunal de Justiça da Bahia, acatou a solicitação do procurador Edivaldo Rotondano e autorizou a quebra dos sigilos bancário, telefônico, fiscal e telemático (mensagens eletrônicas) da juíza Olga Regina Santiago Guimarães. Ela atuava como titular da Vara de Substituições de Salvador.

A Polícia Federal gravou telefonemas da juíza com o colombiano. Em um deles, Olga Guimarães disse que estava tudo certo com as fichas de antecedentes do traficante. Ele respondeu: "Tá bom, doutora. Amanhã vou colocar aquele negócio que o senhor Balduíno me falou". Balduíno Santana é o marido da juíza. Em outro telefonema, o marido da juíza reclamou que não caiu nenhum dinheiro na sua conta. E o traficante se comprometeu a depositar na manhã seguinte.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 8 de fevereiro de 2008, 11h53

Comentários de leitores

15 comentários

Veja, a juiza tem relacionamento comorovado com...

André Zauza (Consultor)

Veja, a juiza tem relacionamento comorovado com o traficante, pois, ouve escuta telefonica.....etc.... E ainda é promovida.....A justiça é forte, sei disto, mas sei manuseio é inobservadora, ou seja, munca visto uma ``promoção`` (como assim?? juiza relacionada a traficante), olha..perante os olhos da sociedade, nada temos a declarar, senão a indisponibilidade de esperança....(s).......

Meu caro Murassawa, vc se esqueceu q/ moramos ...

carranca (Bacharel - Administrativa)

Meu caro Murassawa, vc se esqueceu q/ moramos num "País" tropical,abençoado por Deus e feliz por natureza onde, quase q/ a totalidd de seu povo obedece ao chamamento do cidadão "Gerson"? Anterior/e coloquei aki a questão do nosso Hino Nacional ser a expressão maior de nossa coexistência pacífica "... deitado em berço esplendido...", quer posiciona/o mais confortável ? Me perdoem os da terra mas, "isso me dá uma leseeeeeeeeeeeeeera" Carranca

Futuka - Enquanto em investigação, o ideal é o ...

CHORBA (Bancário)

Futuka - Enquanto em investigação, o ideal é o afastamento da função, com remuneração ou não, até a sentença. Art. 494 clt. Ser promovido. Uma falha lamentável. Jorge Alencar Chorba chorbamatrix@gmail.com

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/02/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.