Consultor Jurídico

Notícias

Terras indígenas

Direito indígena nasceu com Constituição de 1988, diz ministro

Por 

O voto do ministro Menezes Direito no processo que discutiu a demarcação da reserva indígena Raposa Serra do Sol pode ser entendido como um marco regulatório das demarcações no país. A impossibilidade de permanência dos arrozeiros na área, as regras para impedir que os índios comercializem os recursos naturais e a garantia de soberania da União sobre terras indígenas são direitos e deveres que nasceram no dia 5 de outubro de 1988, com a promulgação da Constituição Federal. Agora, com a decisão do Supremo Tribunal Federal, passarão a ser normatizados.

Um dos pontos mais importantes do voto de Menezes Direito, seguido por sete ministros do Supremo,foi a substituição da teoria do indigenato pela teoria do fato indígena. A primeira defende que a posse é imemorial. Os índios são donos da terra por tanto tempo, que não é possível dizer qual a data inicial. A segunda teoria, aplicada pelo ministro, diz que o direito dos indígenas começou com a Constituição de 1988, que dedicou a eles o Capítulo VIII. A data da promulgação foi considerada pelo ministro a comprovação da ocupação. Na Carta de 1967 não há qualquer citação aos índios.

Essa mudança de entendimento da questão estabelece um estatuto jurídico da demarcação, que nunca existiu. As reservas indígenas representam 12% do território brasileiro e a população indígena, 0,25% (460 mil pessoas). Em seu voto, além de manter a demarcação contínua e determinar a retirada dos arrozeiros, colocou 18 condições para que os índios sejam os únicos a habitar na região, que concretizam a definição constitucional do usufruto dos índios. “Não existe exclusividade, mas conciliação”, concluiu.

As ressalvas de Menezes Direito se referem à pesquisa e lavra de riquezas minerais e à exploração de potenciais energéticos, além de questões envolvendo a soberania nacional. Usando uma técnica inovadora — como afirmou o ministro Carlos Britto —, o ministro Menezes Direito criou uma espécie de diretriz sumular, que deve ser seguida pela União quando analisar o caso das 227 terras indígenas que ainda estão à espera de definição.

A votação no Supremo ainda não acabou. Há oito votos — Carlos Britto (relator), Menezes Direito, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Eros Grau, Joaquim Barbosa, Cezar Peluso e Ellen Gracie — a favor da demarcação. Faltam ainda os votos dos ministros Marco Aurélio, que pediu vista, Celso de Mello e Gilmar Mendes.

Leia as normas para demarcação, segundo Menezes Direito

1 – O usufruto das riquezas do solo, dos rios e dos lagos existentes nas terras indígenas pode ser suplantado de maneira genérica sempre que houver como dispõe o artigo 231 (parágrafo 6º, da Constituição Federal) o interesse público da União na forma de Lei Complementar;

2 – O usufruto dos índios não abrange a exploração de recursos hídricos e potenciais energéticos, que dependerá sempre da autorização do Congresso Nacional;

3 – O usufruto dos índios não abrange a pesquisa e a lavra de recursos naturais, que dependerá sempre de autorização do Congresso Nacional;

4 – O usufruto dos índios não abrange a garimpagem nem a faiscação, dependendo—se o caso, ser obtida a permissão da lavra garimpeira;

5 – O usufruto dos índios fica condicionado ao interesse da Política de Defesa Nacional. A instalação de bases, unidades e postos militares e demais intervenções militares, a expansão estratégica da malha viária, a exploração de alternativas energéticas de cunho estratégico e o resguardo das riquezas de cunho estratégico a critério dos órgãos competentes (o Ministério da Defesa, o Conselho de Defesa Nacional) serão implementados independentemente de consulta a comunidades indígenas envolvidas e à Funai;

6 – A atuação das Forças Armadas da Polícia Federal na área indígena, no âmbito de suas atribuições, fica garantida e se dará independentemente de consulta a comunidades indígenas envolvidas e à Funai;

7 – O usufruto dos índios não impede a instalação pela União Federal de equipamentos públicos, redes de comunicação, estradas e vias de transporte, além de construções necessárias à prestação de serviços públicos pela União, especialmente os de saúde e de educação;

8 – O usufruto dos índios na área afetada por unidades de conservação fica restrito ao ingresso, trânsito e permanência, bem como caça, pesca e extrativismo vegetal, tudo nos períodos, temporadas e condições estipuladas pela administração da unidade de conservação, que ficará sob a responsabilidade do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade;

9 – O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade responderá pela administração da área de unidade de conservação, também afetada pela terra indígena, com a participação das comunidades indígenas da área, em caráter apenas opinativo, levando em conta as tradições e costumes dos indígenas, podendo, para tanto, contar com a consultoria da Funai;

10 – O trânsito de visitantes e pesquisadores não—índios deve ser admitido na área afetada à unidade de conservação nos horários e condições estipulados pela administração;

11 – Deve ser admitido o ingresso, o trânsito, a permanência de não—índios no restante da área da terra indígena, observadas as condições estabelecidas pela Funai;

12 – O ingresso, trânsito e a permanência de não—índios não pode ser objeto de cobrança de quaisquer tarifas ou quantias de qualquer natureza por parte das comunidades indígenas;

13 – A cobrança de tarifas ou quantias de qualquer natureza também não poderá incidir ou ser exigida em troca da utilização das estradas, equipamentos públicos, linhas de transmissão de energia ou de quaisquer outros equipamentos e instalações colocadas a serviço do público tenham sido excluídos expressamente da homologação ou não;

14 – As terras indígenas não poderão ser objeto de arrendamento ou de qualquer ato ou negócio jurídico, que restrinja o pleno exercício da posse direta pela comunidade jurídica ou pelos silvícolas;

15 – É vedada, nas terras indígenas, qualquer pessoa estranha aos grupos tribais ou comunidades indígenas a prática da caça, pesca ou coleta de frutas, assim como de atividade agropecuária extrativa;

16 — Os bens do patrimônio indígena, isto é, as terras pertencentes ao domínio dos grupos e comunidades indígenas, o usufruto exclusivo das riquezas naturais e das utilidades existentes nas terras ocupadas, observado o disposto no artigo 49, XVI, e 231, parágrafo 3º, da Constituição da República, bem como a renda indígena, gozam de plena isenção tributária, não cabendo a cobrança de quaisquer impostos taxas ou contribuições sobre uns e outros;

17 – É vedada a ampliação da terra indígena já demarcada;

18 – Os direitos dos índios relacionados as suas terras são imprescritíveis e estas são inalienáveis e indisponíveis.

Leia o Capítulo da Constituição Federal

CAPÍTULO VIII

DOS ÍNDIOS

Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens.

§ 1º — São terras tradicionalmente ocupadas pelos índios as por eles habitadas em caráter permanente, as utilizadas para suas atividades produtivas, as imprescindíveis à preservação dos recursos ambientais necessários a seu bem-estar e as necessárias a sua reprodução física e cultural, segundo seus usos, costumes e tradições.

§ 2º — As terras tradicionalmente ocupadas pelos índios destinam-se a sua posse permanente, cabendo-lhes o usufruto exclusivo das riquezas do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes.

§ 3º — O aproveitamento dos recursos hídricos, incluídos os potenciais energéticos, a pesquisa e a lavra das riquezas minerais em terras indígenas só podem ser efetivados com autorização do Congresso Nacional, ouvidas as comunidades afetadas, ficando-lhes assegurada participação nos resultados da lavra, na forma da lei.

§ 4º — As terras de que trata este artigo são inalienáveis e indisponíveis, e os direitos sobre elas, imprescritíveis.

§ 5º — É vedada a remoção dos grupos indígenas de suas terras, salvo, "ad referendum" do Congresso Nacional, em caso de catástrofe ou epidemia que ponha em risco sua população, ou no interesse da soberania do País, após deliberação do Congresso Nacional, garantido, em qualquer hipótese, o retorno imediato logo que cesse o risco.

§ 6º — São nulos e extintos, não produzindo efeitos jurídicos, os atos que tenham por objeto a ocupação, o domínio e a posse das terras a que se refere este artigo, ou a exploração das riquezas naturais do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes, ressalvado relevante interesse público da União, segundo o que dispuser lei complementar, não gerando a nulidade e a extinção direito a indenização ou a ações contra a União, salvo, na forma da lei, quanto às benfeitorias derivadas da ocupação de boa fé.

§ 7º — Não se aplica às terras indígenas o disposto no art. 174, § 3º e § 4º.

Art. 232. Os índios, suas comunidades e organizações são partes legítimas para ingressar em juízo em defesa de seus direitos e interesses, intervindo o Ministério Público em todos os atos do processo.

Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 11 de dezembro de 2008, 15:48h

Comentários de leitores

4 comentários

Meu Deus! Quanta petulância. Por mais que a Cor...

não tem (Professor)

Meu Deus! Quanta petulância. Por mais que a Corte seja Suprema, não é supremo seu componente. O direito à terra não veio com a CF/88 mas, sim pelo uso no tempo histórico. Quem somos nós, homens da sociedade contemporânea para legislar sobre a posse que remonta o início da humanidade?

Nós, homens-brancos, (ou caras-pálidas, como qu...

Sargento Brasil (Policial Militar)

Nós, homens-brancos, (ou caras-pálidas, como queiram) nos demos o direito de determinar à nossa maneira, a posse que os indígenas sempre tiveram sobre a terra, desde antes de aqui chegarmos. Arrombamos a porta, nem licença pedimos,acertamos o nó da gravata e impusemos a nossa justiça e dizendo ao índio em que ''canto'' da casa ele pode ficar. Mas, tudo bem, são efeitos da era moderna.

O que nos dirá os tempos futuros? Para Deus bas...

Jose Antonio Schitini (Advogado Autônomo - Civil)

O que nos dirá os tempos futuros? Para Deus bastou dez mandamentos dados a Moisés para regrar a humanidade. Agora o Ministro Direito decreta dezoito mandamentos para regrar a terra dos índios. Cada uma dessas regras, em si mesmas, encerram uma plêiade de complexidades, que se fossem emanadas das Casas legislativas, necessitariam de detalhadas regulamentações, instruções normativas, portarias, etcs. Portanto, transparece ser themas eminentemente legislativos, ou o direito Constitucional barafundeou, ou talvez seja a evolução do direito adentrando em campos nunca antes desbravados da flexibilização. Não seria caso de Mandado de Injunção em razão do multifário ? Por aqui, nomeia-se um mandatário mor, com mandato indiscutível e perpétuo: O Instituto Internacional de Pesquisa e Responsabilidade Socioambiental Chico Mendes – INPRA, é uma organização não-governamental sem fins lucrativos, de personalidade jurídica e direito privado, regida por estatuto e disposições legais pertinentes, sob CNPJ. de número 07.001.150/0001-69. Será que é isso mesmo: Internacional, e qual a conotação disso?-

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/12/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.