Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ofício de ossos

Homem que descobriu ter osso de cadáver vai à Justiça nos EUA

Por 

Um homem que descobriu que o osso implantado em seu pescoço foi roubado de um cadáver, na tentativa médica de atenuar-lhe dores nas costas, ajuizou nesta sexta-feira (28/9) em Forth Worth, no Texas, ação contra uma companhia de tecnologia médica e duas empresas de tratamento de tecidos humanos. As informações são do site Findlaw.

James Livingston, 44 anos de idade, não busca recompensa financeira. Mas acusa de negligência as empresas Medtronic Inc. Sofamor Danek Inc., Spinalgraft Technologies Inc., Regeneration Technologies Inc., Biomedical Tissue Services, o médico Michael Mastromarino e o empresário Joseph Nicelli.

As autoridades acreditam que Mastromarino, dono da finada empresa Biomedical Tissue Services, fez acordos com donos de funerárias para extrair ossos, tendões e válvulas coronárias de cadáveres, sem notificar as famílias. Agora, ele encara acusações que podem gerar 25 anos de cadeia.

Joseph Nicelli, dono de funerária, enfrenta igual acusação. Eram colocados tubos de PVC nos cadáveres desossificados. De acordo com a acusação, as partes dos cadáveres foram remetidas para todos os EUA, de janeiro de 2004 a setembro de 2005.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 28 de setembro de 2007, 16h14

Comentários de leitores

4 comentários

Excelente e bastante divertido o seu comentário...

Marcelo Augusto Pedromônico (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

Excelente e bastante divertido o seu comentário Dr. Barros Freitas.

A questão aí não é exatamente de negligencia, p...

Barros Freitas (Outros)

A questão aí não é exatamente de negligencia, pois o implante foi bem sucedido e solucionou suas dores. Se o beneficiario não sentiu lhe faltar nenhuma parte do seu esqueleto, a conclusão óbvia é que o osso veio do esqueleto de terceiro. Se de vivo ou de morto ___ esse parece ser o âmago da questão. Quanto ao fato de haver sido de cadáver, a repulsa não é legitima, pois a maior percentagem de orgãos e tecidos transplantados vêm de cadaveres. Este cavalheiro queria que algum estranho lhe cedesse os ossos? Já quanto ao aspecto legal e moral, isso é outra coisa, pois revela uma macabra simbiose entre funerarias e as empresas citadas. Afinal, o osso será devolvido?

É por essas e outras que o "impossível"...

Luís da Velosa (Bacharel)

É por essas e outras que o "impossível"...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/10/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.