Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Retrato do imaginário

Pesquisa diz que PF e MP são as instituições mais confiáveis

Por 

A Polícia Federal e o Ministério Público viraram super-heróis para combater a corrupção no imaginário popular. Pelo menos é o que apontam dados revelados, nesta quinta-feira (27/9), em pesquisa da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB). A Polícia Federal aparece com 75% da confiança dos brasileiros.

Para 84,9%, a corrupção ainda pode ser combatida. E, ninguém melhor do que a Polícia Federal para combatê-la, segundo os dados. A PF foi votada como instituição mais relevante no combate à corrupção. Em segundo lugar, aparece o Ministério Público e em terceiro, a sociedade civil.

A diferença entre o Ministério Público e o Judiciário ainda é um mistério para 43% dos brasileiros. Então, não causa surpresa que 50% deles não confiem no Judiciário. Apesar disso, os Juizados Especiais contam com 71,8% da confiança. Em segundo lugar, aparece o Supremo Tribunal Federal com 52% e os juízes, com 45%.

A pesquisa, que ouviu 2.011 pessoas em todo país, foi feita entre os dias 4 e 20 de agosto — antes do julgamento do mensalão, que aumentou a auto-estima do Judiciário, sobretudo do Supremo Tribunal Federal perante a sociedade.

Para o presidente da AMB, Rodrigo Collaço, a baixa confiança no Judiciário em geral, discrepante da avaliação positiva dos juizados especiais, só confirma que a sociedade quer uma Justiça mais rápida e acessível.

As instituições

O estudo chamado de “A Imagem das Instituições Públicas Brasileiras” revela, ainda, que o nível de confiança no Legislativo também está deixando a desejar. Apenas 12% dos entrevistados confiam na Câmara dos Deputados. O Senado não aparece em situação muito diferente. Conta com a confiança de 14% dos entrevistados. Políticos em geral tiveram o pior nível de confiança da população, com apenas 11%. A amostra foi feita com homens e mulheres, acima de 16 anos, servidores públicos e funcionários do setor privado. Entre eles, empresários, autônomos e donas de casa.

Aparece muito bem as Forças Armadas com 74% da confiança dos brasileiros. Dos entrevistados, 54% não confiam no governo federal e 40% não confiam no governo local. A imprensa ainda tem a confiança de 59% dos brasileiros.

Se dependesse do povo, o foro privilegiado já teria sido extinto. Discordam deste “privilégio” 79,8%. Políticos processados na Justiça não podem concorrer às eleições, na opinião de 94,3% das pessoas que responderam a pesquisa.

 é correspondente da Revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 27 de setembro de 2007, 19h17

Comentários de leitores

7 comentários

EXCELENTE PESQUISA! PARABÉNS POLICIA FEDERAL, M...

Daniel P. Almeida (Bacharel)

EXCELENTE PESQUISA! PARABÉNS POLICIA FEDERAL, MINISTÉRIO PÚBLICO, FORÇAS ARMADAS E JUIZADOS ESPECIAIS.

Muito boa essa pesquisa, demonstra a confiança ...

Erick de Moura (Advogado Autônomo)

Muito boa essa pesquisa, demonstra a confiança da população com a imprensa, muito além do governo federal. Quem realmente é democrático e comprometido com os valores da democracia sabe que, a liberdade de imprensa, é pilar incondicional. A aqueles que dizem que a mídia é golpista, partidária, bem os números falam por si mesmo. Agora dá pra entender a fúrias dos petistas/esquerdistas idiotas para com a mídia! Desfrutando de credibilidade; tudo isso, apesar dos excessos que eventualmente comete e dos ataques dos inimigos do Estado Democrático de Direito. Enfim para essa raça: mídia boa, e isenta é aquela que só tem fonte de receita, da publicidade estatal, e que não fala mal do governo. Por mal entenda-se, omissa, e que, não fala a verdade! E vamos ler, os mascates "independentes" do poder, de postura envergada.

Gente, que pesquisinhna mais direcionada ! ...

Dijalma Lacerda (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Gente, que pesquisinhna mais direcionada ! A pergunta é a seguinte : E A OAB ?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 05/10/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.