Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Síndrome da Mega-Sena

Não se pode conceder HC para impedir apuração de delito

Não é possível imunizar alguém em detrimento do interesse público na apuração e na punição de delitos, disse a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal. Ela guiou a corte a negar Habeas Corpus preventivo para um comerciante que ganhou um R$ 34,2 milhões na Mega-Sena no ano passado.

O comerciante afirma ter ficado impressionado com reportagem publicada pela revista IstoÉ logo depois de ganhar o prêmio milionário. A reportagem dizia que a CPI dos Bingos enviara relatório ao Ministério Público Federal em que apontava crimes de lavagem de dinheiro e financiamento de caixa dois de partidos por meio de premiação fictícia da Mega-Sena. O comerciante afirma que a notícia causou "sensação de ameaça [contra ele]" e, por, isso, pediu HC preventivo para trancar um possível inquérito.

A relatora, ministra Cármen Lúcia, foi seguida por todos os ministros ao dizer que a indicação da reportagem como único indício de provável abertura de investigação não tem força para respaldar o pedido de Habeas Corpus preventivo. Além disso, não é possível imunizar alguém em detrimento do interesse público na apuração e na punição de delitos, disse Cármen.

Citando parecer do MPF, Cármen Lúcia acrescentou que a defesa do comerciante também errou ao indicar o procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, como a autoridade coatora.

Isso porque, ainda que existisse a possibilidade concreta de instauração de procedimento policial no caso, o pedido de HC não poderia ser impetrado contra o procurador-geral, uma vez que o comerciante não tem direito a foro especial e nem estaria em situação que atraísse a atuação do chefe do MPF.

Na verdade, ele seria investigado por autoridade policial a pedido de uma Procuradoria da República, segmento do MPF que atua na primeira instância da Justiça Federal.

HC 89.398

Revista Consultor Jurídico, 21 de setembro de 2007, 0h01

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 29/09/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.