Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Dignidade humana

Ratinho está proibido de exibir cenas de agressões físicas

O apresentador Carlos Roberto Massa, o “Ratinho”, está proibido de exibir em seu programa cenas de agressões físicas e deficiências físicas com propósito sensacionalista. A decisão da Justiça de São Paulo foi confirmada pelo Superior Tribunal de Justiça.

Para a Justiça não ocorreu, no caso, qualquer ato de censura, mas sim de atendimento ao princípio da dignidade da pessoa humana. O ministro Antônio de Pádua Ribeiro, da 4ª Turma, negou recurso de Ratinho para reverter decisão do TJ paulista.

A pedido do Ministério Público Federal, a Justiça de São Paulo proibiu o programa do apresentador de exibir e expor cenas de confronto físico e de discussão entre pessoas. Ratinho está proibido de exibir também pessoas portadoras de deformidade física, toda vez que essa deficiência represente a própria atração do quadro.

A Justiça, no entanto, rejeitou o pedido de danos morais de R$ 35 mil que o Ministério Público queria para punir o apresentador e o SBT.

O apresentador recorreu ao STJ. Alegou que não possui qualquer tipo de influência na produção dos programas que apresenta, já que o faz na condição de simples funcionário do SBT. Argumentou, ainda, que o MP estava tentando uma forma oblíqua de censura, formalmente proibida pela Constituição Federal. Como o recurso acabou rejeitado na origem, Ratinho ingressou com Agravo Regimental para tentar fazer subir ao exame do STJ sua inconformidade com a decisão.

Mas o ministro Pádua Ribeiro, relator do caso, negou o pedido. Argumentou que na decisão não existe nenhum vício a ser sanado nem mesmo omissão, contradição ou obscuridade, como afirmou o apresentador. Segundo o ministro, o TJ paulista se manifestou acerca de todas as questões relevantes que importavam para a solução da questão.

Para o relator, a controvérsia inteira está reduzida ao reexame do conjunto de provas juntado no processo. Segundo ele, todas elas já foram devidamente apreciadas por ocasião do julgamento do tema. Por esse motivo, não é viável a interposição do recurso para análise de matéria fática, em face do que dispõe a Súmula 7 do STJ.

Ag 886.698

Revista Consultor Jurídico, 20 de setembro de 2007, 10h25

Comentários de leitores

5 comentários

Depois do ridículo do João Cleber, agora foi o ...

Alexandre Barros (Advogado Sócio de Escritório)

Depois do ridículo do João Cleber, agora foi o Rato, com aquela mania de expor as pessoas. Mas ainda não entendi por que até hoje ninguém se insurgiu contra o Big Brother. Ou será que o fato de aquelas pessoas ficarem dias e dias ali, enjauladas, expostas na sua privacidade e na sua intimidade, não ofende a dignidade da pessoa humana? O problema é que programa ali é da Globo...

Vale a pena lembrar de outros¨"programas que in...

MFG (Engenheiro)

Vale a pena lembrar de outros¨"programas que intitulam humoristicos ou de informação" tais como Pânico na TV, GUGU, novelas da globo, linha direta, entre outros que alem de ridículos não acrecentam nada na pobre cultura do brasileiro.

Deveria ser proibido o programa. É o "mundo cão...

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Deveria ser proibido o programa. É o "mundo cão". Vergonhoso. Digno do nosso pobre Brasil do Ali Babá e os quarenta ladrões e os analfabetos que os rodeiam. Pior do que esse programa, só o Congresso Nacional e a Corte Brasiliana.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 28/09/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.