Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Desvio de dinheiro

Ex-presidente do Cofen acusado de desviar R$ 50 milhões fica preso

Gilberto Linhares Teixeira, ex-presidente do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), preso na Operação Predador da Polícia Federal, em janeiro de 2005, vai continuar na prisão. A decisão é da ministra Laurita Vaz, do Superior Tribunal de Justiça. A ministra negou pela quinta vez o pedido de liminar para trancar a Ação Penal instaurada contra Teixeira. O ex-presidente do Cofen é acusado de chefiar uma organização criminosa e desviar cerca de R$ 50 milhões do conselho.

Segundo denúncia do Ministério Público Federal, dirigentes do Cofen atuavam em licitações fraudulentas. O grupo direcionava a escolha da proposta vencedora para uma empresa vinculada à quadrilha ou superfaturava o preço final. De acordo com o MPF, Nelson Parreiras, presidente anterior da instituição e, na época da denúncia, vice-presidente do Conselho Regional de Enfermagem de Goiás, e João Amorin, vice-presidente do Cofen na gestão de Linhares, também participavam do grupo.

Anteriormente, os pedidos de trancamento da Ação Penal e de liberdade provisória foram negados pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região. De acordo com os desembargadores, “o Habeas Corpus somente pode ser concedido na verificação de manifesta ilegalidade ou constrangimento abusivo por parte das autoridades públicas, o que não se verifica no caso”.

A defesa recorreu então ao STJ, reiterando pedidos anteriores. O argumento é de que a denúncia foi baseada apenas em laudo pericial contábil formulado por peritos da Polícia Federal. Para a defesa, eles não seriam habilitados junto ao Conselho Federal de Contabilidade, o que caracterizaria violação do devido processo legal.

A ministra Laurita Vaz concluiu que não está presente o requisito do fumus boni iuris, necessário para a concessão do recurso. “Após a leitura dos fatos narrados nos autos, observo que o pedido urgente se confunde com o próprio mérito da impetração, cuja análise competirá ao órgão colegiado, no momento oportuno”, disse a ministra.

O processo segue agora para o Ministério Público Federal, que vai se manifestar sobre o caso. Posteriormente, retorna ao STJ, onde será examinado pela 5ª Turma.

HC 90.809

Revista Consultor Jurídico, 20 de setembro de 2007, 11h50

Comentários de leitores

2 comentários

E algo ainda me inquieta! Só a OAB não é "Conse...

Alochio (Advogado Sócio de Escritório - Administrativa)

E algo ainda me inquieta! Só a OAB não é "Conselho". Os argumentos do STF, não são muito convincentes. Afinal, se a OAB é "tão relevante" e se sua função "é tão ímpar que chega a ter assento Constitucional", MAIOR RAZÃO para o controle público deste "Conselho". Mas ... a OAB foge (fugiu enquanto pode) da licitação, dos concursos, e do controle externo pelo Tribunal de Contas, como o diabo foge da cruz. Foge ainda do VOTO ABERTO para o quinto, e outras "coisitas" mais.

Coisas de Conselhos profissionais. Até hoje eu ...

Zerlottini (Outros)

Coisas de Conselhos profissionais. Até hoje eu não entendi a finalidade da existência dessa coisa chamada Conselho Regional e Conselho Federal. Quando eu exercia a profissão, sempre paguei ao Conselho Regional de Química uma anuidade, caso contrário, seria processado por prática ilegal da profissão. Uma empresa que trabalhe com material químico (reagentes, de modo geral) deve ter um Químico Responsável junto ao Conselho - e, se não tiver, paga multas e mais multas. Pois bem. Quando fiquei desempregado, sugeri ao Conselho que publicasse, em seu site, as empresas que estivessem neste estado - sem responsável. NEM RESPOSTA AOS MEUS E-MAILS EU RECEBI! Ou seja, na hora de receber as anuidades, venha a nós. Na hora de ajudar os filiados, phoda-se. Então, pra que pagar a Conselho se, na hora em que a gente precisa, eles não nos ajudam? Deviam era acabar com esse tipo de "captação de recursos" (pra não dizer ROUBALHEIRA, pura e simples). Francisco Alexandre Zerlottini. BH / MG

Comentários encerrados em 28/09/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.