Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crime na Riviera

MP decide se promotor que matou continua na carreira

O Órgão Especial do Ministério Público de São Paulo se reúne, na quarta-feira (15/8), para decidir se Thales Ferri Schoedl continuará a ser promotor de Justiça. A cúpula do MP paulista vai julgar se suspende ou não a vitaliciedade do promotor, acusado de matar um jovem e ferir outro.

O crime aconteceu em Riviera de São Lourenço, condomínio de classe média alta em Bertioga, no litoral paulista, em dezembro de 2004. Schoedl disparou 12 tiros com uma pistola semi-automática calibre 380 contra dois rapazes que teriam mexido com sua namorada. Diego Mondanez foi atingido por dois disparos e morreu na hora. Felipe Siqueira, da mesma idade, foi baleado quatro vezes, mas sobreviveu.

No mês de março deste ano, o Conselho Superior do Ministério Público rejeitou a proposta de não vitaliciamento de Schoedl. O pedido foi feito pelo antigo corregedor-geral do MP, Paulo Shimizu. O corregedor recorreu ao Órgão Especial do Conselho de Procuradores do MP de São Paulo, formado por 42 procuradores, a quem caberá a decisão final. Para ser aprovada, a proposta de suspensão da vitaliciedade no cargo terá de receber metade mais um dos votos dos presentes à reunião.

Schoedl havia sido exonerado do Ministério Público, mas em maio de 2006 conseguiu Mandado de Segurança do Tribunal de Justiça de São Paulo para afastar a exoneração. Os desembargadores reconheceram a nulidade da decisão do Conselho Superior do Ministério Público que determinou o não vitaliciamento e a exoneração do promotor de Justiça.

O TJ paulista confirmou a liminar e permitiu que Schoedl voltasse ao cargo, mas sem exercer suas funções. A ação foi ajuizada pela defesa dele em janeiro do ano passado. No mesmo mês, o desembargador Canguçu de Almeida, vice-presidente do TJ, acolheu o pedido de liminar e o então o promotor voltou a receber os salários e demais vantagens.

A reunião que decidirá o futuro de Schoedl acontecerá a partir das 13h30, na sede do Ministério Publico de São Paulo.

Revista Consultor Jurídico, 13 de agosto de 2007, 18h21

Comentários de leitores

46 comentários

Não tenho dúvida alguma que o Promotor citada a...

Torre de Vigia (Outros)

Não tenho dúvida alguma que o Promotor citada agiu em estrita e nos limites da legítima defesa. Creio que quem deve deixar o cargo são aqueles promotores que servem à política, sendo secretários, chefes de autarquias, colocando uma pedra sobre a pretendida independencia do MP.

Ser chamado de "bobo" por alguém como o dr. din...

Saeta (Administrador)

Ser chamado de "bobo" por alguém como o dr. dinamarco(sic) realmente não me levou ao desespero. O contraditório é admitido, e cada um pode ter suas opiniões e expressa-las.

Sr. Saeta : se examinou quase todo o processo, ...

acdinamarco (Advogado Autônomo - Criminal)

Sr. Saeta : se examinou quase todo o processo, o senhor não o conhece ; e, antes que me esqueça, deixe de ser bobo. acdinamarco@aasp.org.br

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/08/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.