Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Justiça Sem Papel

Justiça Federal veta parceria do Judiciário com Souza Cruz

Por 

O Projeto Justiça Sem Papel está suspenso até decisão definitiva em Ação Civil Pública do Ministério Público Federal. Fruto de parceria entre o Ministério da Justiça, a Fundação Getúlio Vargas e a fabricante de cigarros Souza Cruz, o projeto tem como objetivo custear e auxiliar no desenvolvimento de propostas para a modernização do Judiciário brasileiro.

O projeto havia sido suspenso em maio de 2005 por liminar do desembargador federal Antônio Souza Prudente, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região. O desembargador acatou Agravo de Instrumento do Ministério Público da União contra decisão da 22ª Vara Federal do Distrito Federal. A primeira instância tinha rejeitado o pedido do MP para suspender o projeto.

Agora, a 6ª Turma do TRF da 1ª Região julgou o mérito do Agravo de Instrumento, confirmando a liminar que suspendeu o projeto. O relator no julgamento, desembargador Antônio Souza Prudente, afirmou que não há como se admitir “sem amparo constitucional e legal, a formalização de parcerias institucionais com a empresa Souza Cruz S.A., sob a gerência técnica da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas e a supervisão da juridicamente inválida Secretaria de Reforma do Judiciário” para operar o Projeto.

Souza Prudente afirmou, ainda, que o Projeto Justiça Sem Papel compromete negativamente o papel da Justiça ligando, diretamente, o nome da Souza Cruz ao programa de modernização da Justiça.

“Não tem como afastar as conseqüências letais de sua indústria de substâncias tóxicas, causadora de dependência física e psíquica, expondo milhões de pessoas, no Brasil e no mundo, a desenvolverem graves doenças incapacitantes e fatais, como o câncer, as doenças cardiovasculares e as pulmonares obstrutivas e crônicas, no que resulta a figuração da empresa Souza Cruz S.A, no polo passivo de inúmeros feitos judiciais”, diz o desembargador.

O relator concluiu seu voto defendendo que o Projeto Justiça Sem Papel não deve “envolver-se em parcerias espúrias, moralmente reprováveis e constitucionalmente repudiadas, a ponto de comprometer o bom nome, a moralidade e o magnânimo Papel da Justiça, garantido e consagrado pelos comandos da Constituição da República Federativa do Brasil, para a segurança jurídica de todos”.

O Fundo Justiça Sem Papel, lançado em novembro de 2004 com o objetivo de apoiar projetos de informatização e modernização do Judiciário, recebeu um total de 92 propostas de 20 Estados brasileiros.

AG 2005.01.00.022119-3/DF

Leia a decisão

Relator: DESEMBARGADOR FEDERAL SOUZA PRUDENTE

Órgão Julgador: SEXTA TURMA

Publicação: 24/01/2006 DJ p.33

Data da Decisão: 19/09/2005

Decisão

A Turma, por unanimidade, preliminarmente, indeferiu o pedido de adiamento do julgamento e afastou a possível nulidade pela falta de publicação do nome do advogado na pauta de julgamento, e, no mérito, por maioria, deu provimento ao agravo de instrumento.

CONSTITUCIONAL, PROCESSUAL CIVIL, ADMINISTRATIVO E AMBIENTAL. QUESTÃO DE ORDEM PRELIMINAR. REJEIÇÃO DO PEDIDO DE ADIAMENTO DA SESSÃO DE JULGAMENTO. TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA E FINANCEIRA, FIRMADO PELA "SECRETARIA DE REFORMA DO JUDICIÁRIO", A FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS E A EMPRESA SOUZA CRUZ S/A, PARA IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO "JUSTIÇA SEM PAPEL". VIOLAÇÃO AOS PRINCÍPIOS DA LEGALIDADE, MORALIDADE, INDEPENDÊNCIA E AUTOGOVERNO DO PODER JUDICIÁRIO. POSTURA AGRESSORA DO MEIO AMBIENTE NATURAL E ÉTICO-CULTURAL.

I - Afigura-se desinfluente a ausência do nome do advogado da parte na publicação da pauta de julgamento, se o mesmo teve ciência antecedente e inequívoca da data da sessão de julgamento, através de petição apresentada, anteriormente, nos autos. Não se justifica, também o pedido de vistas e de adiamento da aludida sessão, para obtenção de cópias de peças do conhecimento das partes e sem qualquer elemento novo para a produção de sua ampla defesa, já processualmente garantida.

II - Se a Constituição da República Federativa do Brasil outorga competência expressa ao Sr. Presidente da República para expedir decretos e regulamentos somente para a fiel execução das leis (CF, art. 84, IV) e a dispor, mediante decreto, sobre a organização e funcionamento da administração federal, quando não implicar aumento de despesa nem criação ou extinção de órgãos públicos (CF, art. 84, VI, a), afigura-se constitucionalmente inválida a criação de uma "Secretaria de Reforma do Judiciário", na estrutura funcional do Ministério da Justiça, com funções gratificadas e ampla competência sobre matéria privativa do autogoverno do Poder Judiciário, mediante simples decreto presidencial (Decretos nºs 4.720/2003, 4.991/2004 e 5.535, de 13/09/2005, art. 22, incisos I a V). Somente a lei, em sentido estrito, pode inovar na ordem jurídica, criar órgãos públicos, autorizar aumento de despesa e estabelecer competências para seus agentes, com direitos e obrigações, no amparo constitucional, sendo vedada a figura do Decreto autônomo no ordenamento jurídico brasileiro, para essa finalidade.

  • Página:
  • 1
  • 2
  • 3

 é correspondente da Revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 29 de janeiro de 2006, 7h01

Comentários de leitores

4 comentários

Essa decisão com certeza foi a coisa mais bem f...

Cris (Bacharel)

Essa decisão com certeza foi a coisa mais bem feita que poderia se dá. Quando soube dessa parceria fiquei chocada, não acreditei que pudessem levar uma barbariedade dessas adiante. Vergonhoso e desmoralizante pro nosso poder judiciário. Não deve haver parceiramento, seja com empresas como a Souza Cruz, como qualquer outra, uma vez que não só o Poder judiciário como todo e qualquer órgão do Poder Público, devem manter sua imparcialidade, para que suas decisões sejam dadas da maior clareza possível, isso que dá a credibilidade de um sistema. Parabéns aos TRF pela decisão!!

O comentário do HERMANN abaixo e aterrador!!!!!...

Nedson Pinto Culau (Advogado Autônomo - Consumidor)

O comentário do HERMANN abaixo e aterrador!!!!!! Estará solucionado jurídicamente o porquê de nos "Estates" as indústrias são condenadas e neste Paisinho de nono ou oitavo mundo, com leis de primeiro e se achando de terceiro não se vislumbram os direitos daqueles que, com os impostos sustentam a comida a higiene e a boa vida dos julgadores???

Espantoso que o Conjur considere ser contra a "...

Roi (Advogado Autônomo - Administrativa)

Espantoso que o Conjur considere ser contra a "modernidade" esta decísão da Justiça. Admitir que a Souza Cruz ou qualquer outra empresa patrocine a "modernização"do Judiciário é de uma imoralidade aterradora. Em regra, em 90% dos casos, as decisões judiciais favorecem os poderosos. Tem sido assim e vai continuar sendo assim. Agora, permitir uma monstruosidade dessa sob a falácia de modernizar o judiciário é ilegal é imoral é indigno de uma nação. Ronaldo Idalgo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/02/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.