Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Grande Irmão

EUA quer obrigar Google a entregar dados de internautas

O Ministério da Justiça dos Estados Unidos entrou com ação judicial para obrigar a Google Inc. a entregar às autoridades norte-americanas uma amostra de uma semana de pesquisas em seu site. A empresa se recusa a entregar os dados com a justificativa de que a divulgação das informações revelaria segredos operacionais desenvolvidos por seus engenheiros.

Três outros provedores que oferecem serviços de busca de dados em seus sites – a America On Line, a Microsoft e a Yahoo – entregaram as informações solicitadas pelo Ministério da Justiça. Segundo reportagem de Paulo Sotero para o jornal O Estado de S.Paulo, publicada neste domingo (29/1), a ação do governo abriu uma nova frente no que os críticos consideram uma ofensiva da administração Bush para cercear as liberdades públicas.

As autoridades norte-americanas alegam que os dados que pediram à Google, em agosto do ano passado, são cruciais para tentar restaurar uma lei de 1998 sobre proteção de crianças contra pornografia e exploração sexual na internet. A lei foi barrada pela Suprema Corte, que a considerou excessiva e incompatível com a Primeira Emenda da Constituição americana, que garante a liberdade de expressão.

As informações, diz o governo, são necessárias para estabelecer um conjunto de fatos capaz de demonstrar que a lei federal de 1998 seria mais eficaz do que o uso de filtros para dificultar o acesso de crianças a sites pornográficos. De acordo com a Nielsen-Net Ratings, mais de 38 milhões de pessoas, ou um quarto dos usuários ativos da internet nos EUA, visitaram sites pornográficos no mês passado. Segundo a Adult Video News, uma publicação especializada, os americanos gastaram US$ 2,5 bilhões no chamado “entretenimento online para adultos”, no ano passado.

De acordo com o Estadão, o caso aumentou as suspeitas de intromissão indevida do Estado na vida dos cidadãos suscitadas pela revelação, no mês passado, de um programa secreto de escuta telefônica e monitoramento de e-mails pela Agência Nacional de Informação. O presidente George W. Bush criou o programa depois dos atentados de 11 de setembro de 2001 e o usou dezenas de vezes desde então.

Com o Congresso prestes a iniciar audiências públicas sobre o grampo extrajudicial, Bush iniciou uma ofensiva para convencer os americanos de que, como comandante supremo das Forças Armadas de um país em guerra, tem autoridade constitucional para permitir escutas sem permissão judicial dentro do território americano, quando as comunicações envolvam suspeitos de ligações com terroristas. Segundo as pesquisas, a opinião pública está rachada.

“Esse é um exemplo de que o governo parece pensar que tem o direito de ter todo tipo de informação sem justificativa adequada”, afirmou Aden J. Fine, advogado da União Americana das Liberdades Civis, referindo-se à disputa entre o governo e a Google. Especialistas em leis sobre direito à privacidade disseram que embora não se oponham a intimações do governo em casos em que há suspeita de crime, a demanda apresentada à Google é excessivamente vaga e não faz sentido.

“Uma vez cruzada essa fronteira, não há retorno. Se uma companhia como a Google responder a esse tipo de intimação, na próxima vez o governo pedirá tudo o que pediu agora e um pouco mais”, disse Marc Rotenberg, do Centro de Informação sobre Privacidade Eletrônica, ao Washington Post.

Segundo Rotenberg, a posição da Google é particularmente importante nessa disputa porque, em contraste com as demais companhias que operam buscas na internet, a empresa, além de ser a força dominante, é a única que retém em sua base de dados informações que permitem identificar o autor das buscas.

Ironicamente, a Google concorda com o governo. Nicole Wong, a assessora jurídica da Google, afirmou na semana passada que continuará resistindo à intimação do governo, não porque veja nela uma violação da privacidade de seus usuários, mas porque teme que sejam revelados segredos profissionais.

A aceitação pela Google, na semana passada, da autocensura imposta pelo governo de Pequim para autorizar que ela opere na China confirmou que a preocupação principal da empresa é com seus negócios e aumentou a preocupação entre os especialistas em direito à privacidade sobre o desfecho do caso nos EUA.

Revista Consultor Jurídico, 29 de janeiro de 2006, 19h45

Comentários de leitores

1 comentário

Essa noticia so pode mesmo causa...

hammer eduardo (Consultor)

Essa noticia so pode mesmo causar surpresa aos mais desavisados. Os EUA a muito tempo tomaram para si a função de "policia do mundo" , isto ficou particularmente exacerbado quando colocaram na Casa Branca aquele idiota do Bush que veio com as ideias medievais herdadas do "papai" , deu no que deu e os atentados de 11 de Stetembro de 2001 serviram como divisor de aguas , a America antes e depois. A America "depois" é um Pais de alta tecnologia mas apavorado ate a base da cueca , tal fato propiciou que com a ajuda de um Congresso de joelhos, aprovassem aquela idiotice do "patriot act" , uma especie de AI-5 made in USA em que delegaram poderes praticamente ilimitados à versão texana do Lula. O Pais que foi exemplo de democracia para o mundo hoje se transformou numa nação de apavorados "full time" que a cada dia fecham mais o Pais para o mundo exterior ( que via de regra tambem desconhecem solenemente) e agora fecham por dentro tambem com esta absurda proposição de grampo "autorizado e sem limites" , o não autorizado eles ja praticam a muito tempo. A pouco tempo houve uma leve tentativa de se começar a mudar tudo quando tiveram a oportunidade de colocar um mais equilibrado que seria o John Kerry , mas a massa apavorada propositalmente deixou o "bushinho" mais 4 anos , agora é relaxar e esperar. A onda de panico mal disfarçada que hoje varre os Estados Unidos , deverá levar ao menos uma ou mais gerações para se auto-consertar. Verdade ou não , aquele outro imbecil fanatico do bin laden declarou àquela tal de al-jazeera ( voz do Brasil em versão arabe) de que "- não precisava mais disparar um unico tiro ou efetuar nenhuma explosão , bastaria a simples ameaça para apertar o botão de panico automatico" , pior que é verdade. Paralelamente tambem afirmou que "quebraria economicamente" a outrora grande potencia mundial atraves do imenso gasto com sistemas de segurança cada vez mais caros e histericos. É uma pena mas virou uma ciranda que não se ve o fim no horizonte.

Comentários encerrados em 06/02/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.