Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Cheque especial

Banco não pode tirar limite especial sem avisar cliente

Banco não pode se recusar a prestar um serviço ao consumidor sem notificação prévia e sem que haja motivo. O entendimento é do juiz Daniel Felipe Machado, da 12ª Vara Cível de Brasília, para condenar o Banco Itaú a devolver o limite do cheque especial a um correntista.

Segundo os autos, Wagner Nunes de Castro, cliente do banco há 31 anos, foi surpreendido com a retirada do limite do seu cheque especial, sem qualquer aviso, mesmo com o contrato em vigor.

O juiz decidiu conceder liminar ao consumidor por entender que a negativa poderia acarretar danos. Segundo Daniel Felipe Machado, a instituição financeira não pode tirar o benefício do cliente sem que haja justa causa. Cabe recurso da decisão.

Processo 2005.01.1.142274-7

Leia a íntegra da decisão

Circunscrição: 1 - BRASILIA

Processo: 2005.01.1.142274-7

Vara: 212 - DECIMA SEGUNDA VARA CIVEL

DECISÃO

Cuida-se de pedido para tutela jurisdicional antecipada no sentido de restaurar o limite de crédito que lhe fora concedido em cheque especial em razão de contrato ainda em vigor. Diz o requerente que o crédito lhe foi retirado, sem qualquer comunicação prévia, apesar de ser correntista do banco há mais de 31 anos. Sustentou não ocorrer descumprimento contratual de sua parte.

Atento à exposição da inicial e aos documentos que a instruíram, constato que o crédito em referência é outorgado de forma rotativa a cada trinta dias por renovação contratual. Não há liberdade para recusa ou paralisação da outorga de crédito sem o oferecimento de uma justa causa. Não poderá haver recusa da prestação de serviços ao consumidor sem a ocorrência de justa causa que se dará a conhecer com a notificação prévia (Art. 39, IX-A, CDC, Lei nº 8.078/90).

Diante disso, reconheço a verosimilhança da alegação apresentada pela requerente quanto aos danos que poderá experimentar sem a disposição do crédito que vinha contando desde o ano de 2002.

Ante estas ponderações, pode se entrever presentes, a aparência do bom direito favorável ao requerente e diante da evidência do dano, defiro o pedido de antecipação da tutela formulado pelo autor para ordenar ao banco que restitua o limite de crédito nos termos do contrato até o julgamento de mérito da presente ação.

Intimem-se para o acatamento da medida. Cite-se o réu para contestar a presente ação.

Brasília - DF, terça-feira, 10/01/2006 às 17h59.

Revista Consultor Jurídico, 27 de janeiro de 2006, 11h55

Comentários de leitores

4 comentários

Os bancos abausam, vendem seguros e outros serv...

valdo (Estudante de Direito - Família)

Os bancos abausam, vendem seguros e outros serviços, cobram taxas absurdas,para aposentados, impondo suas leis, temos que parabenizar essa atitude....e seguir esse exemplo desse cidadão..que soube procurar seus direitos...

Seria bom se o juiz que prolatou a decisão obje...

ius (Advogado Autônomo - Civil)

Seria bom se o juiz que prolatou a decisão objeto dessa notícia ministrasse umas aulas de direito ao magistrados das Varas de Fazenda Pública de Brasília, notadamente quando a instituição financeira, no caso, é o Banco Regional de Brasília.

O pior é que o Tribunal de Justiça do Distrito ...

ius (Advogado Autônomo - Civil)

O pior é que o Tribunal de Justiça do Distrito Federal não tem uma linha jurisprudencial coerente com o universo jurídico, pois há quem entenda como a decisão objeto da notícia aqui veiculada, como há, também, em sentido completamente contrário, dotada da natural arrogância do poder econômico que contamina o Poder Judiciário.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 04/02/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.