Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Caso Santo André

Morte de Celso Daniel completa quatro anos sem solução

Por 

Nesta quarta-feira completam-se quatro anos do seqüestro e posterior assassinato do ex-prefeito de Santo André e dirigente proeminente do PT, Celso Daniel. O empresário Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, foi denunciado pelo Ministério Público de São Paulo sob a acusação de ser o mandante do assassinato do ex-prefeito. Está solto. Dois supostos comparsas do crime morreram.

Por que Celso Daniel morreu? Quatro anos depois do fato, a pergunta continua sem resposta ou tem respostas divergentes.

A polícia sustenta uma versão clássica segundo a qual Celso Daniel foi vítima de um seqüestro comum seguido de morte. A mesma versão brota das hostes petistas, representadas no caso pelo deputado federal Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP).

O Ministério Público de São Paulo defende que Celso Daniel foi morto numa trama que envolve obscuros interesses políticos, caixa 2 de campanha eleitoral, e corrupção. Como prova de que não se tratou de um crime comum, acena um laudo que mostra sinais de tortura do ex-prefeito antes de sua morte.

Em entrevista à revista Consultor Jurídico, um dos promotores do caso, José Reinaldo Guimarães Carneiro, descreveu como ele vê o caso quatro anos depois. “Nós nos deparamos com um caso de corrupção muito grave que envolvia uma prefeitura municipal, diversas pessoas entre funcionários públicos e prestadores de serviços se aproximaram de um prefeito com uma convicção ideológico partidária, mas as pessoas que estavam do lado dele não tinham e nem comungavam dessa mesma ideologia porque a ideologia delas era o dinheiro”.

Os passos seguintes, diz o promotor, culminaram no assassinato. “Daí para os crimes que se seguiram foi um passo muito rápido. A investigação que está em juízo hoje mostrou isso com absoluta segurança. Não foi crime político em sua concepção real, jurídica, foi um crime de dinheiro, um homicídio de mando e não aquele crime casual que tem início no primeiro credo da polícia. A prova que está hoje submetida ao Poder Judiciário resultou da investigação criteriosa do MP e é aquela sobre a qual o Judiciário no devido tempo vai se pronunciar. Eu tenho absoluta convicção que essa pronúncia será condenando aquelas pessoas pela morte do prefeito.”

Segundo José Reinaldo, “o caso se desdobrou em vários processos: temos lances de corrupção, que são quatro processos que tramitam em Santo André; e temos o caso da morte que é capitaneado pelo Sérgio Gomes da Silva. Todos os casos, contra os quais já se impetraram diversos Habeas Corpus, hoje estão com as datas marcadas para produção da prova de acusação. Nós acreditamos que 2006 é um ano em que as provas vão evoluir e os processos vão ter um andamento bastante rápido. Atrapalha muito o MP que a cada lance da investigação, que é bastante complexa, os promotores sejam acusados de manipulação de prova com fins políticos.”

Para o promotor, “Celso Daniel foi assassinado porque tomou pé de um esquema de corrupção cravado dentro de sua própria prefeitura, que já não tinha o objetivo eleitoral, político, que ele acreditava que era o primeiro objetivo e por conta disso, quando tentou conter aquela corja de pessoas que se vinculou a ele na prefeitura, isso custou a vida dele. Tenho a absoluta convicção que o TJ vai se pronunciar condenando Sérgio Gomes da Silva e as demais pessoas da favela Pantanal”.

CPI e laudo

Em novembro do ano passado o Ministério Público e os senadores Magno Malta, Romeu Tuma e Eduardo Suplicy, todos membros da CPI dos Bingos, ouviram depoimento de uma líder comunitária que aponta o empresário Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, como mandante do seqüestro do ex-prefeito de Santo André, Celso Daniel.

De acordo com a testemunha, Sérgio Gomes da Silva conseguiu R$ 1,5 milhão para a campanha eleitoral do PT em 2000. O dinheiro foi “doado” por um traficante e em troca, o prefeito, se comprometeu com a legalização do transporte de lotação. O crime, na versão dessa testemunha, foi motivado pelo não cumprimento do acordo.

O traficante teria exigido o dinheiro de volta e o empresário resolveu seqüestrar o prefeito e pedir resgate de R$ 3 milhões. No entanto, no momento do seqüestro, Celso Daniel teria reconhecido um dos seqüestradores que, na versão da testemunha, trabalhava para Sérgio Gomes da Silva.

Dois personagens citados pela testemunha já morreram: o informante que teria repassado a ela essa versão e o seqüestrador reconhecido pelo prefeito.

O seqüestro teve a participação de Dionízio Severo a pedido de Sérgio Gomes da Silva. Dionísio foi resgatado de helicóptero de um presídio em Guarulhos na véspera do seqüestro. Depois foi recapturado e, mais tarde, morto em um centro de detenção.

Em abril de 2003, Dionísio Severo foi assassinado após ter dito que conhecia bem o Sombra e sua mulher Adriana Pugliese. Esta declaração foi fundamental para o MP, que via em Severo uma ligação entre Sombra e a quadrilha que seqüestrou e matou Celso Daniel, composta por Ivan Rodrigues (Monstro), José Edison, Itamar Messias, Rodolfo Oliveira (Bozinho), Elcyd Brito (John), Marcos Bispo e José Erivam.

Nesta semana, em laudo complementar sobre as circunstâncias da morte do prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT), o médico-legista Paulo Vasques sustentou que o petista foi brutalmente torturado antes de ser morto.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 18 de janeiro de 2006, 7h00

Comentários de leitores

2 comentários

INACREDITÁVEL Pode até parecer mentira, ...

Paulo Fuentes (Outros - Administrativa)

INACREDITÁVEL Pode até parecer mentira, mas infelizmente não é. Simplesmente e como direi, em um passe de mágica, acaba de ser constatado que, Lelo, o acusado de ter fuzilado o ex-prefeito Celso Daniel, da cidade de Santo André, simplesmente ... "DESAPARECEU". Calma meus amigos leitores... Ele não estava fazendo parte de um show de ilusionismo de David Copperfield e de repente, nada mais que de repente, ele sumiu e apareceu uma linda loira em seu lugar. Como diria o ex-ministro José "Daniel" Dirceu, com ele, "O buraco foi mais embaixo", ou sabe-se lá em que buraco o enterraram, tal qual fizeram com as outras pessoas, que direta ou indiretamente estariam envolvidas neste fatídico caso funebre. Apenas para recordar como funciona o nosso competentíssimo sistema judicial nacional, aquele que está em vigor desde os tempos de meu avô, prescreve que, um menor de 21 anos, aquele marginal safado, que pode eleger um candidato também marginal, para comandar os designios de nossas cidades, estado, ou mesmo a nação, através do voto, não pode ficar detido apoós atingir a maioridade. Foi o que ocorreu com Lelo, ou L.S.N., que tinha 16 anos quando foi capturado e confessou o crim e que está desaparecido desde que compareceu pela última vez à Unidade de Semiliberdade Inicial da Febem, no bairro do Belém, na cidade de São Paulo, em 29 de junho. Ele sumiu, desapareceu, evaporou, chispou, escafedeu-se, ou qualquer outro nome, porém somente agora foi que a polícia e o Ministério Público ficaram sabendo e a delegada Elizabeth Sato, que dirige as investigações sobre a morte de Daniel, de acordo com sua declaração, simplesmente disse... “Apuramos que ele fugiu” "Lelinho", havia admitido que disparou sete tiros de pistola 9 milímetros à curta distância no prefeito indefeso. Disse ter acatado ordens de José Edison da Silva, líder do bando que seqüestrou Daniel exatos quatro anos atrás, na noite de 18 de janeiro de 2002. Que me perdoem o Ministério Público estadual, pois sei que se tratam de pessoas honradas e de reputação intocada e inabalável (verdade mesmo, pois conheço-os pessoalmente), mas estava na cara que este "anjinho", o "Lelinho" não iria durar muito tempo caminhando "tranquilamente" pelas ruas da cidade de São Paulo. Me admira mais ainda que, Sérgio Gomes da Silva, o Sombra, ainda esteja vivo, pois neste escabroso caso funebre que envolve a morte do ex-prefeito de Santo André, Celso Daniel, ainda irão "desaparecer" outras tantas pessoas que estão ou que estavam direta ou indiretamente ligadas à data de 18 de Janeiro de 2002. Quem vier verá. Não se surpreendam se de repente e nada mais que de repente, "Lelinho" seja novamente encontrado, porém encontrado através de um teste de DNA realizado em alguma ossada localizada em alguma vala de qualquer lugar deste imenso país. E enquanto um "assassino", que era réu confesso gozando dos privilégios da Lei em liberdade desaparece, Marcelo Pires Vieirao, continua detino só porque era "supostamente" amigo de um traficante. Paulo Fuentes www.paulofuentes.com.br

So mesmo crianças com idade infe...

hammer eduardo (Consultor)

So mesmo crianças com idade inferior a 4 anos podem se dar ao luxo de acreditar no desvendamento do caso Celso Daniel com o "PT" devidamente encastelado em Brasilia e com seus tentaculos em toda parte. Na famosa "cpi" que acabou mesmo numa pizza do tamanho do Maracanã , ainda havia alguma esperança de que as investigações tivessem um rumo minimamente serio e não um encaminhamento politico como tem sido ate agora , mas só pra variar um pouquinho.....não deu em nada exceto as duas cabeças principais devidamente decapitadas e oferecidas à plebe ignara para que a mesma encerrasse as cobranças. Como todas as bandalheiras tipicas do Brasil sil sil , esse caso só vai ser devidamente esclarecido muito la na frente quando os atuais "posseiros" do des-governo em Brasilia ja estiverem devidamente fora da cena politica, é nojento mas sempre foi assim. A Prefeitura de Santo André por sinal , faz corar de inveja em seu luxuoso caixão o famoso bandidão americano Al Capone que era dono de Chicago na decada de 30 e sem a ajuda do PT !. Indicios de que foi crime politico e encomendado com requintes de "queima de arquivo" apareceram com uma abundancia preocupante mas foram cirurgicamente desqualificados em publico pelos mandarins do pt em sua cruzada religiosa em que pretendem levar a politica brasileira a um estagio da antiga Albania na decada de 50. É nojento mas provavelmente vai ficar assim por muito tempo. Ate o inocente legista do caso apareceu devidamente "morrido" . Alias vou rebaixar a idade mental de 4 para 2 anos , assim quem sabe o conto da carochinha petista pode finalmente triunfar.

Comentários encerrados em 26/01/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.