Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ano fatal

Aumenta número de jornalistas assassinados em 2005

Por 

O ano de 2005 foi o pior, nos últimos dez, para a liberdade de imprensa: 63 jornalistas e cinco assistentes de mídia foram assassinados, segundo números divulgados pela ONG Repórteres Sem Fronteiras. Pelo menos 807 jornalistas foram presos, 1.308 fisicamente atacados ou ameaçados e 1.006 birôs de notícias censurados.

Ano pior só fora registrado em 1985, quando 64 jornalistas morreram. Pelo terceiro ano consecutivo, o Iraque vem sendo mais perigoso país para o trabalho de jornalistas, com 24 assassinatos de repórteres e cinco de assistentes de mídia. O país com mais jornalistas atrás das grades, em 2005, foi a China, com 32 profissionais, seguido de Cuba, com 24. Em terceiro lugar vem a Etiópia. Os 1.006 casos de censura em 2005, representam o maior aumento em relação a 2004, quando se registraram 622.

A Repórteres sem Fronteiras também registra os 15 países “inimigos da Internet” em 2005: Belarus, Burmas, China, Cuba, Irã, Líbia, Maldivas, Nepal, Coréia do Norte, Arábia Saudita, Síria, Tunísia, Turquistão, Usbequistão e Vietnã.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 3 de janeiro de 2006, 17h09

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 11/01/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.