Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Leão no Corinthians

Advogados entram em campo para colocar Leão no Corinthians

Por 

Nada menos que cinco advogados de dois dos maiores escritórios de advocacia do país, além da assessoria jurídica do próprio clube — este foi o corpo jurídico mobilizado para a assinatura do contrato entre o treinador Emerson Leão e o Corinthians mais seu parceiro, o fundo de investimentos internacional MSI.

O novo técnico do time escalou para representá-lo nas negociações os advogados Ivandro Sanchez, Sólon Cunha e Rodrigo Takano, do Machado, Meyer, Sendacz e Opice. Do seu lado, o Corinthians alinhou um time de advogados de seu próprio departamento jurídico e de outra potência da advocacia, o Veirano Advogados.

“Hoje em dia jogadores e técnicos já não podem se assessorar com a família ou com os amigos apenas”, diz o advogado Sólon Cunha, que já assessora Leão há oito anos. “Pela complexidade do contrato a negociação exige uma assessoria profissional e especializada”.

Sólon Cunha, por exemplo, é o chefe do departamento trabalhista do Machado Meyer. Ele, que levou Leão para o escritório, levou do escritório para a negociação o especialista em direito esportivo e coordenador do departamento Ivandro Sanchez.

As negociações se estenderam por dois dias antes da assinatura do contrato na sede do escritório, na tarde desta terça-feira. Tendo como marco legal a CLT e a lei que regulamenta a profissão de técnico de futebol, o contrato prevê questões também na área de Direito esportivo, de imagem e de direito tributário. “Por isso mesmo, a assessoria corporativa é capaz de dar maior respaldo ao cliente”, diz Cunha.

O valor dos salários, outra peculiaridade que é um diferencial nos contratos de trabalho esportivos, não foi revelado mas a imprensa especializada fala em algo como R$ 400 mil mensais.

Embora o emprego de técnico tenha como característica básica ser efêmero, o contrato de Leão, por exigência do Corinthians, tem prazo de validade de dois anos. Em caso de rescisão antecipada, a parte culpada paga uma indenização em valor compatível com o do contato.

Pelo contrato, o técnico tem de cumprir algumas exigências como não fazer publicidade para concorrentes dos patrocinadores do time e usar o uniforme do clube. Menos mal que o advogado não está sujeito a esta regra. Sólon Cunha não ficaria à vontade dentro de uma camisa do Corinthians. Ele é torcedor do São Paulo.

 é diretor de redação da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 15 de agosto de 2006, 21h21

Comentários de leitores

1 comentário

Que desperdício!

Armando do Prado (Professor)

Que desperdício!

Comentários encerrados em 23/08/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.