Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Meio de campo

Legislativo só pode fiscalizar Judiciário por intermédio do TCU

O Legislativo só pode exercer a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial sobre as unidades administrativas do Judiciário por intermédio do Tribunal de Contas da União. O entendimento é do Supremo Tribunal Federal, ao julgar inconstitucional o inciso II do artigo 57 da Constituição do estado Espírito Santo.

O procurador-geral da República, Antônio Fernando Souza, questionava, por meio de Ação Direta de Inconstitucionalidade, a expressão “presidente do Tribunal de Justiça”, presente na cabeça e nos incisos I e II do dispositivo.

De acordo com a lei estadual, a Assembléia Legislativa ou qualquer de suas comissões poderia convocar, entre outros, o presidente do Tribunal de Justiça para prestar, pessoalmente, informações sobre assunto previamente determinado. No inciso I, por iniciativa própria e mediante prévio entendimento com a mesa, para expor assunto de relevância do seu órgão. No II, importando crime de responsabilidade a recusa ou não-atendimento, no prazo de 30 dias, bem como a prestação de informações falsas.

O procurador alegou que a Constituição capixaba, ao disciplinar a forma de convocação de autoridades pela Assembléia Legislativa, adotava o mesmo critério do artigo 50 da Constituição Federal. A Emenda Constitucional 08/96 alterou a estrutura de linguagem substituindo a ampliação da lei estadual questionada.

O ministro Carlos Ayres Britto, ao votar pela inconstitucionalidade do inciso II do artigo 57, entendeu que o Poder Legislativo pode fiscalizar as unidades administrativas do Poder Judiciário apenas com intermédio do TCU.

Os ministros votaram pela constitucionalidade do inciso I, do artigo 57, por entenderem que neste, em particular, o comparecimento do presidente do TJ se dá por iniciativa do próprio chefe do Poder Judiciário estadual.

ADI 2.911

Revista Consultor Jurídico, 11 de agosto de 2006, 7h00

Comentários de leitores

1 comentário

É engraçado isso: a Constituição Federal diz qu...

Luiz Fernando (Estudante de Direito)

É engraçado isso: a Constituição Federal diz que todo poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos (Art. 1º, parágrafo único). Claro que os nossos atuais eleitos estão nus ou pregando moral de cuecas, como diria Rui Barbosa. Mas o Judiciário é o único "Poder" sem votos e só admite ser fiscalizado por outro poder sem votos, o TCU. Ou seja, ambos padecem daquela legitimidade que só a vontade popular transmite e no entanto decidem assim. Que seja feita a sua vontade aqui na Terra, mas, data venia, é estranho. Digamos que, NESTE MOMENTO, a decisão é compreensível. Mas que o assunto seja reavaliado quando (e se) tivermos um Congresso moralmente bem trajado.

Comentários encerrados em 19/08/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.