Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Insinuação perigosa

PT promete processar secretário de Segurança Pública de SP

O PT prometeu processar o secretário de Segurança Pública, Saulo de Castro. Motivo: ele insinuou existir ligação entre a facção criminosa PCC — Primeiro Comando da Capital e o ex-secretário dos Transportes de São Paulo, Jilmar Tatto (PT). A declaração foi dada, na segunda-feira (7/8), no programa Canal Livre, da TV Bandeirantes.

A resposta do PT foi dada em nota oficial. “Mais uma vez o PT está sendo vítima de um ato irresponsável”, disse o presidente estadual do partido, Paulo Frateschi. Ele afirmou que toda vez que há período eleitoral surgem ilações tentando relacionar o partido com fatos negativos. O PT está estudando as medidas cabíveis que tomará contra Saulo, mas adiantou que pretende processar todos que fizerem declarações caluniosas.

No programa Canal Livre, Saulo afirmou, sem citar o nome de Tatto, que um inquérito da Polícia demonstrou a relação entre o ex-secretário petista e integrantes da facção que domina lotações em São Paulo. Saulo se referiu ainda a Tatto como “o ex-secretário da Marta”. Ele disse acreditar que os ataques do PCC devem continuar até as eleições, pois o objetivo da facção seria prejudicar os candidatos do PSDB. A informação é da Agência Estado.

Em junho, a Polícia Civil pediu a prisão preventiva de Tatto sob a acusação de que ele teria facilitado a entrada de integrantes do PCC em uma cooperativa de perueiros de São Paulo enquanto era secretário dos transportes do município. A acusação constava do interrogatório de Luiz Carlos Efigênio Pacheco, de 36 anos, o Pandora, presidente da Cooper Pam, uma cooperativa de perueiros que atuava na zona sul de São Paulo. Tatto sempre alegou que as suspeitas eram infundadas. A Justiça negou o pedido.

O presidente estadual do PT comparou o caso com o seqüestro do empresário Abílio Diniz, quando “tentaram envolver o PT na véspera das eleições”. No caso de Diniz, seqüestradores do empresário foram presos na véspera da eleição presidencial de 1989. Policiais civis paulistas foram acusados de obrigá-los a vestir camisetas do PT a fim de que fossem fotografados e filmados pela imprensa.

Revista Consultor Jurídico, 8 de agosto de 2006, 17h29

Comentários de leitores

7 comentários

Agora estão revelando que funcionários públicos...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Agora estão revelando que funcionários públicos recebiam propina para facilitar a vida de alguns presos, inclusive um diretor de presídio já foi preso. Eu sempre achei que os acontecimentos tinham paternidade estgatal. De qualquer forma, ainda bem que os ilustres políticos não estão usando o caos da violência para fins eleitorais/eleitoreiros. Graças da Deus!.

Esse caso será excelente. Uma foto com associaç...

Bira (Industrial)

Esse caso será excelente. Uma foto com associação com o crime versus diversas contas e sigilos abertos. Vai dar em pizza.

Vamos reconhecer que o fanfarronico se...

hammer eduardo (Consultor)

Vamos reconhecer que o fanfarronico secretario de segurança de Sampa literalmente "escorregou no quiabo" e foi infeliz, mas acreditar que isto va render algo alem da encheção de saco padrão , é esperar muito. São Paulo e os Paulistas no momento sofrem as consequencias de uma situação velha que agora começa a entornar pelas beiradas, leis suecas , uma linha de pensamento mais apropriada para a Islandia, vagabundos tratados de "dotô" e pobres sendo engaiolados por longos periodos por um simples furto de sabonete ou um pacote de manteiga. O resto serve para dormecer a boiada.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/08/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.