Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

A advocacia e o crime

Justiça nega liberdade para advogada de Marcola

A advogada Maria Cristina Rachado vai continuar presa. A decisão é do Dipo — Departamento de Inquérito Policiais e Polícia Judiciária do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ela entrou com pedido de relaxamente de prisão, mas não obteve sucesso.

Maria Cristina Rachado é advogada de Marcos Willian Herbas Camacho, o Marcola, apontado como um dos líderes da facção criminosa PCC. A advogada foi presa no dia 20 de julho em uma operação da Polícia de São Paulo, após uma série de interceptações telefônicas que apontaram seu envolvimento em ações do crime organizado.

A advogada também é acusada de pagar propina a um funcionário terceirizado da Câmara dos Deputados para obter cópias dos depoimentos sigilosos que dois delegados do Deic prestaram à CPI do Tráfico de Armas. Para a comissão, os CDs com a transcrição dos depoimentos teriam sido adquiridos a mando de integrantes presos do PCC.

Revista Consultor Jurídico, 2 de agosto de 2006, 17h25

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 10/08/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.