Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Contratação irregular

Juiz decreta quebra de sigilo do instituto ligado ao PT

Por 

MOEMA KUYUMJIAN – Integrante da equipe do GTPOS (Grupo de Trabalho e Pesquisa em Orientação Sexual), uma ONG da qual Marta Suplicy foi uma das fundadoras em 1987 e presidente de honra até 2001, pelo menos (fls. 820/823).

MITSUE MORISSAWA – Ligada ao MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (fls. 824/828).

MARIA ELENA ORTEGA ORTIZ ASSUMPÇÃO – Mãe de Rodrigo Ortiz Assumpção (fls. 701/708), que é membro do Instituto Florestan Fernandes desde 18/7/2002 e Diretor Executivo do SAMPA.ORG (fls. 50 e 75).

MARIA OTÍLIA BOCCHINI – membro do Conselho Editorial da Revista Teoria e Debate, da Fundação Perseu Abramo, fundação de direito privado instituída pelo Partido dos Trabalhadores (fls. 829/839). Tia de Lino Ito Bocchini, Supervisor Geral junto ao Secretário de Governo Municipal Rui Falcão (10/08/2001 a 01/07/2004 e 19/11/2004 a 01/01/2005), conforme fls. 756.

JUPIRA CAUHY – membro do Instituto Florestan Fernandes desde 02/06/2003 e integrante de seu conselho consultivo (fls. 48 e 53). Foi Coordenadora da Equipe de Planejamento de Campanha junto ao Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), no período de abril a dezembro de 2000, e junho a agosto de 2002. Gerente da Agenda Lula (Partido dos Trabalhadores – PT), no período de 05/07/98 a 04/10/98, conforme fls. 175/179 e 764/768. Foi chefe de Gabinete de Administração Regional, de agosto de 2001 a maio de 2002, dos Secretários Municipais Arlindo Chinaglia Júnior e Jilmar Augustinho Tatto, conforme fls. 755.

JORGE THADEU CHAIA DE SAMPAIO – membro do Instituto Florestan Fernandes desde 18/07/2002 (fls. 48) e do SAMPA.ORG desde 25/04/2002 (fls. 72).

JUCIARA MÔNICA DINIZ – Estreitamente ligada ao Instituto Florestan Fernandes; seu nome, apresentado pela Fundação Getúlio Vargas em sua proposta técnica, decorreu de indicação do Instituto Florestan Fernandes, conforme revelado em suas declarações a fls. 741/744.

Note-se: assina como testemunha do contrato, entre a Secretaria de Finanças e a FUNDEP, Wilma Madeira da Silva, membro do Instituto Florestan Fernandes desde 21/8/2003 (fls. 50 e 328).

No dia 29/9/2003, segundo dia útil seguinte à assinatura daquele contrato, a FUNDEP subcontratou os serviços correspondentes ao Instituto Florestan Fernandes (fls. 329/334). Maria Teresa Augusti assinou este contrato pelo IFF, tendo por objeto a “Realização de consultoria técnica nas áreas de metodologia de análise e redesenho de processos, implantação de tecnologia de informação e análise de sistemas informatizados e comunicação, elaboração de diretrizes de capacitação de pessoal interno, definição para a capacitação de equipes e administradores/gerentes, definição de abordagem dos servidores municipais para a mudança de cultura institucional e reorganização e acompanhamento de outras consultorias na área de comunicação e informação democrática, todas da Secretaria de Finanças e Desenvolvimento Econômico do Município de São Paulo e com vistas a elaboração de diagnóstico da situação de atendimento direto e do fluxo de informação do órgão mencionado, bem como de um quadro indicativo das alterações necessárias às melhorias pretendidas.”, pelo valor de R$ 405.802,12 e prazo de 4 meses.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 27 de abril de 2006, 19h31

Comentários de leitores

1 comentário

Comenta-se que a triangulação de recursos é obr...

Bira (Industrial)

Comenta-se que a triangulação de recursos é obra classica comparada apenas as grandes mafias. A prova de tudo está nas mãos da receita federal. Movimentações de dinheiro sem origem sempre deixam um elo desconectado. Falta vontade de largar o pobre caseiro e ir direto na jugular do chefão.

Comentários encerrados em 05/05/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.