Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Verba para pessoal

Corregedores-gerais pedem mais verbas para o Judiciário

Por 

Elevar para 8% o percentual destinado às despesas com recursos humanos no Poder Judiciário. Esta é a proposta que devem levar ao Congresso Nacional os integrantes do Colégio de Corregedores-Gerais de Justiça, reunidos no Rio de Janeiro , no último sábado (22/4).

Justificaram o pleito como forma de aumentar o acesso das pessoas à Justiça. Os participantes do encontro decidiram ainda tocar um assunto delicado. Por unanimidade decidiram "sugerir" ao Conselho Nacional de Justiça que ao editar atos "resguarde a dignidade das autoridades contra as quais forem manejadas reclamações, inclusive disciplinares". Os corregedores falam ainda no documento sobre a necessidade de se "intensificar relações" com o CNJ "dentro do esforço de aperfeiçoar as atividades do Poder Judiciário".

Como se nota, o conselho, seus integrantes e decisões foram motivos de muitas conversas nos três dias que os corregedores mantiveram no Hotel Meridien, em Copacabana. Outra decisão tomada pelo colegiado foi a de apoiar a criação da Associação Nacional dos Desembargadores. A instituição criada recentemente no Rio surgiu justo em meio ao debate sobre o fim do nepotismo no Poder Judiciário, corte determinado pelo Conselho Nacional de Justiça.


 é jornalista.

Revista Consultor Jurídico, 24 de abril de 2006, 21h53

Comentários de leitores

1 comentário

Nobre Paulo, infelizmente vc esta equivocado. A...

Antonio Grandi Filho (Cartorário)

Nobre Paulo, infelizmente vc esta equivocado. A estrutura do TJ de São Paulo é maior que muitos Estados Brasileiros e não tem um repasse do orçamento digno para suplantar suas dívidas. Só para voce saber na maioria das Comarcas onde estão se criando varas, a estrutura(predio,funcionários etc) na maioria das vezes vem sendo fornecida pelas Prefeituras. Portanto o Judiciário Paulista está de canequinha na mão. Não é assim que o Judiciário vai se tornar ágil e o que é mais importante independente.

Comentários encerrados em 02/05/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.