Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Conflito de competência

STJ centraliza processos da Varig em Vara Empresarial

Por 

O Superior Tribunal de Justiça decidiu que todas as questões envolvendo a Varig devem ser resolvidas pela 8ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro. A decisão foi tomada em Conflito de Competência suscitado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro.

O MP recorreu ao STJ em razão da decisão da 5ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, que arrestou bens da companhia para os funcionários. A ação foi movida pelo Sindicato Nacional de Aeronautas, pela Associação de Comissários da Varig, pela Associação de Pilotos da Varig, entre outras entidades de trabalhadores.

Para o ministro Ari Pargendler, “a recuperação judicial está norteada por outros princípios, mas parece razoável que ela ficaria comprometida se os bens da empresa pudessem ser arrestados pela Justiça do Trabalho”.

Todas as decisões que não foram tomadas pela 8ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro devem ser encaminhadas a ela, para nova avaliação.

Leia a íntegra da decisão

CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 61.272 – RJ (2006/0077383-7)

DECISÃO

A jurisprudência formada à luz do Decreto-Lei nº 7.661, de 1945, concentrou no juízo da falência as ações propostas contra a massa falida. A recuperação judicial está norteada por outros princípios, mas parece razoável que ela ficaria comprometida se os bens da empresa pudessem ser arrestados pela Justiça do Trabalho. Defiro, por isso, a medida liminar para que seja sobrestada a ação de rito especial proposta pelo Sindicato Nacional dos Aeronautas e outros contra a Varig S/A Viação Aérea Rio-Grandense e outras perante o Juízo do Trabalho da 5ª Vara do Rio de Janeiro, RJ, designando provisoriamente o MM. Juízo da 8ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, RJ.

Solicitem-se as informações. Comunique-se. Intimem-se.

Brasília, 19 de abril de 2006.

Ministro Ari Pargedler

Relator

Conflito de Competência 61.272

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 20 de abril de 2006, 13h15

Comentários de leitores

1 comentário

Dijalma Lacerda Pego-me a indagar a quem apr...

Dijalma Lacerda (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Dijalma Lacerda Pego-me a indagar a quem aproveitaria a real quebra da Varig. Aos credores, às concorrentes, ao governo, aos empregados? Aos credores não, porque entrariam no famoso "concurso de credores" e talvez nada ou quase nada teriam a receber. Às concorrentes não, até porque a Varig lhes tem sido muito útil de há muito tempo, já que suas oficinas, aliás as melhores do Brasil, fazem a manutenção de muitos dos aviões das outras companhias, e a Varig opera em linhas que muitas delas não operam. Ao governo, penso que igualmente não, pois só a projeção de imagem negativa lá fora sería, já de per si, muito ruim. Aliás, ao governo interessaria muito mais a Varig voando e pagando seus tributos. Aos empregados, a estes muito menos. Se fizermos uma pesquisa hoje com os empregados, praticamente cem por cento responderão que querem os aviões da Varig voando. A questão do EMPREGO no país é muito séria (da França tivemos um demonstrativo da importância da coisa) . Aliás, já é chegada a hora de o governo, além dos programos já por ele instituídos, tais como "fome zero", "falta de gás de cozinha zero", "falta de energia elétrica zero", "falta de merenda escolar zero", "banguelas zero", etc., etc., lançar o mais importante de todos os programas - aliás prometido na campanha eleitoral: "DESEMPREGO ZERO". Cadê ? Pelo Amor de Deus pessoal, vamos fazer de tudo para a Varig não quebrar !!! Dijalma Lacerda

Comentários encerrados em 28/04/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.