Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Interesse de menos

Número de candidatos para concurso do TJ goiano é baixo

A apenas oito dias do fim das inscrições para o concurso de juiz-substituto do Tribunal de Justiça de Goiás, o número de candidatos ainda é baixo. Até a manhã de segunda-feira (10/3), apenas 215 bacharéis haviam se inscrito. A expectativa do tribunal é receber mais de 1.500 inscrições. O prazo termina no dia 19.

As informações são da Comissão de Seleção e Treinamento do TJ goiano. O tribunal pretende preencher 29 vagas. Segundo a secretária da comissão, Nádia Rios Vellasco de Amorim, cerca de 800 pessoas já preencheram as fichas de inscrição, mas ainda não confirmaram o interesse. A inscrição está sendo feita pela internet.

Segundo a secretária, o TJ não se responsabilizará por solicitação de inscrição não recebida por motivos de ordem técnica, problemas na operação de computadores, falhas de comunicação, congestionamento das linhas de comunicação ou outros fatores que impossibilitem a transferência de dados.

Para se inscrever, o candidato deverá acessar o site do tribunal. A taxa é de R$ 160. A inscrição só é confirmada depois do pagamento da taxa.

Revista Consultor Jurídico, 12 de abril de 2006, 7h00

Comentários de leitores

4 comentários

Que bom é a possibilidade de discurtirmos algo ...

Marcus (Advogado Associado a Escritório)

Que bom é a possibilidade de discurtirmos algo que, se para alguns parece absurdo, para outros é claro como o sol... sol do Estado de Goiás... Sou mineiro, tenho 37 anos e moro no Estado do Pará desde meus 14 anos. É interessante como as pessoas de outros estados adoram fazer concurso público nos estados das regiões "de cima" do país por acharem que tudo aqui é mais fácil... Ledo engano... Senão, vejamos: Sites como este são capazes de fornecer informação atualizada a todos os concurseiros; sites como o da Saraiva, RT e Vitrine Jurídica nos permitem acesso aos últimos lançamentos editoriais do país; cursos como IELF, Damásio e CPC, colocam os concurseiros de todo o país em pé de igualdade. Mas tem uma coisa que os sites, os livros e os cursos não fornecem: a vivência na região onde está sendo feito o concurso. Uma pessoa que sai de cidades avançadas e desenvolvidas, tais como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, não faz a mínima idéia do que enfrentará nos nteriores dos Estados da Região Norte e Centro Oeste. Mil quilômetros de barco, cidades com uma única rua, passagem de avião a preços absurdos, distância da família, chuva, mosquito, dengue malária, enchente... Conversa fiada é achar que o clima do norte mudou porque os ribeirinhos possuem antena parabólica em suas casas. Muitos concurseiros (NÃO DIGO TODOS) não têm idéia do que enfrentarão por estas bandas. Em face disso, simplesmente abandonam suas comarcas ou vivem uma vida de frustração. O Tribunal de Justiça ao cobrar conhecimentos regionais não faz mais que cumprir o seu papel social ao selecionar seus servidores, isso porque, se agisse diferente, estaria, aí sim, arriscando-se a selecionar pessoas que, com três meses na comarca abandonariam tudo, pois passariam em outro concurso em locais mais desenvolvidos e mais próximos de suas famílias, mesmo que ganhando menos. Logo, o problema de falta de juízes no estado permaneceria. Lamento que não caia língua Portuguesa, pois encontramos horrores gramaticais cotidianos. Por fim, para aqueles que desejam fazer concurso para MP, TJ e outras carreiras tentadoras, ROGO a vocês, que antes de se inscreverem, peguem, além dos livros de doutrina e jurisprudência, O MAPA DO BRASIL, para vocês terem uma noção mínima do tamanho do nosso país, e terem consciência de para onde poderão ser lotados (ou jogados, como preferem alguns). Por fim, acho que quem tem condição de passar em concurso para juiz em Goiás, passa em qualquer local, pois, querendo ou não, quem passa em concurso de juiz, ou MP, é porque tem, de fato um preparo acima da média. Por isso, não desanimem os que deixarão de fazer concurso em Goiás por não conhecerem sua geografia e sua história, pois, com certeza seus estados de origem terão, masi cedo ou mais tarde, também, concursos para Juiz e MP. Abraços a todos. ps. outros estados do Brasil também fazem isso, se eu não me engano o de Santa Catarina, ou Espírito Santo, por exemplo... e ninguém questionou, por que será? Será que vige a concepção de que apenas os estados "de cima" não podem criar regras (regras particulares em face de de sua realidade concreta) para seus concursos?

É fácil saber a causa do desinteresse dos candi...

Morcego (Advogado Associado a Escritório)

É fácil saber a causa do desinteresse dos candidatos: escolher história do Brasil, de Goiás e Geografia é muito bairrismo; é praticamente assumir que somente os goianos é que estarão habilitados! É lamentável!! Que o CNJ e a OAB-GO se manifestem!

PS: Além disso, ainda cairá Direito Agrário, Di...

Paulo (Outros - Civil)

PS: Além disso, ainda cairá Direito Agrário, Direito Eleitoral, História do Brasil, História de Goiás e Geografia. Química e Física não cairão..., nem Língua Portuguesa. Vão ficam sem candidatos mesmo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/04/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.