Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Desserviço da tecnologia

Jovens são condenados por traficar drogas pelo Orkut

Cinco jovens de classe média foram condenados por traficar drogas pelo site de relacionamentos Orkut. A decisão é da juíza Inês da Trindade Chaves de Melo, da 5ª Vara Criminal de Niterói (RJ). Um dos jovens terá de ficar internado para tratamento em clínica psiquiátrica do Sistema Penitenciário, durante dois anos e oito meses. Os outros quatro foram condenados a quatro anos de reclusão em regime fechado.

Os condenados usavam o site de relacionamentos para oferecer ecstasy a outros jovens de Niterói e do Rio de Janeiro. O grupo também vendia maconha e outros tipos de droga na Região dos Lagos e em Belo Horizonte, em Minas Gerais. Os entorpecentes eram negociados, principalmente, em festas e também por meio de um disque-droga. Segundo os autos, a troca de informações sobre a qualidade da droga era feita pelo telefone.

Aniello Caputo Filho, 29 anos, é acusado de ser o principal fornecedor de drogas do grupo. Sua pena privativa de liberdade foi substituída por internação para tratamento. Ele não poderá apelar em liberdade.

André Kohler Archiles, Amon de Magalhães Velasco Lemos, Tiago de Vasconcelos Tauil e Rodrigo Alvarenga dos Santos cumprirão pena em regime fechado.

Processo: 2005.002.0103394-5

Revista Consultor Jurídico, 12 de abril de 2006, 19h00

Comentários de leitores

2 comentários

Eu sou analista de sistemas e estudante de jorn...

Marcos (Técnico de Informática)

Eu sou analista de sistemas e estudante de jornalismo, portanto, o título me chamou atenção. Não é correto afirmar que isso venha a ser um desserviço da tecnologia, pois as bocas de fumo na favela não vendem seus produtos pela internet. Isso me leva a concluir que o mercado de entorpecentes não precisa da informática para sobreviver. Eles só passaram a utilizar a internet como um canal de vendas, assim como as lojas virtuais. Além disso, a tecnologia auxiliou na identificação desses contraventores, o que me leva a crer que o sucesso da operação não teria sido alcançado sem o uso da internet, prestando, dessa forma, um serviço. Responsabilizar a tecnologia pelo seu uso inapropriado é como responsabilizar a favela inteira pelos poucos traficantes que lá fazem seus negócios. Ou como afirmar que todos os advogados fazem mal uso de suas OAB's, quando sabemos que são poucos os que fazem falcatruas.

E A PROSTITUIÇÃO NA REDE, SERÁ QUE VAI ACABAR?

Dra. ANDRÉIA PEREIRA DA SILVA (Advogado Autônomo)

E A PROSTITUIÇÃO NA REDE, SERÁ QUE VAI ACABAR?

Comentários encerrados em 20/04/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.