Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Direito de fugir

Réu que foge após condenação não tem direito a apelar da decisão

O réu que foge depois de ter sido condenado criminalmente não tem direito de apelar da decisão, por incorrer em deserção. A decisão é da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça. Os ministros negaram o pedido da Defensoria Pública mineira em favor de Michael Luiz Silva condenado a sete anos e 11 meses de reclusão por roubo.

A defesa sustentou que a apelação deveria ser admitida porque o contrário impediria ao réu o uso do recurso garantido pela Constituição.

O relator do caso, ministro Arnaldo Esteves Lima, esclareceu que o entendimento da 5ª Turma está de acordo com o que estabelece o artigo 595 do Código de Processo Penal. Pela regra, “se o réu condenado fugir depois de haver apelado, será declarada deserta a apelação.”

O relator ainda afirmou que, como a questão está sendo discutida no Plenário do Supremo Tribunal Federal (Habeas Corpus 85.961/SP), não se pode mudar a jurisprudência do STJ antes da eventual mudança do entendimento do STF.

HC 43.053

Revista Consultor Jurídico, 10 de abril de 2006, 12h10

Comentários de leitores

3 comentários

Protesto contra o entendimento do STJ. Essa reg...

Sérgio Niemeyer (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Protesto contra o entendimento do STJ. Essa regra do CPP 595 não foi recepcionada pela Constituição Federal, pois agride o princípio da ampla defesa nela inscrito no art. 5º, inc. LV, podendo-se ainda cogitar, embora não de modo tão enfático, do princípio do duplo grau de jurisdição. (a) Sérgio Niemeyer

Onde fica o princípio do duplo grau de jurisdi...

José Antônio `Paiva da Silva (Estudante de Direito)

Onde fica o princípio do duplo grau de jurisdição, que garante as partes recorrerem das sentenças proferidas pelos juizes " a quo "?

Mais um caso, entre muitos, de juízes que inter...

Rogério Fernando Taffarello (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Mais um caso, entre muitos, de juízes que interpretam a Constituição à luz da legislação ordinária - quando a correta hermenêutica exigiria o contrário - cf. tanto critica o prof. Lenio Streck.

Comentários encerrados em 18/04/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.