Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Culpa da imprensa

Leia a íntegra da ação do PT contra a revista Veja

Por 

 

 

 

 

 

1.2.   Potencializa – e muito - esse efeito formador de opinião as chamadas de capa da revista VEJA, com atingimento de camada da população que não tem acesso a revista  -  o chamado pessoal “...do andar de baixo” na conhecida definição do jornalista Elio Gaspari, vale dizer, aquele cidadão(ã) que não ostenta condição economica-financeira quiçá para o sustento, quanto mais para adquirir ou mesmo assinar revistas semanais -, sendo certo que referidas capas da VEJA, invariavelmente fortes nas palavras e atraentes nas figurações, por estratégia de “marketing”, configuram meio de acesso informativo indistinto, alvo da curiosidade popular.

 

 

 

 

 

1.3. Não é exagero afirmar, portanto,  que a imensa maioria do público que forma opinião sobre determinado assunto, fato ou pessoa o faz exclusivamente em razão de capa de revista, especialmente aquelas destinadas a transmitir imagem negativa, pois a expressiva maioria da população brasileira não adquire ou assina VEJA, apenas visualiza as capas no dia-a-dia ou “out-doors” que as reproduz, pois se tiragem média da revista é inferior a um milhão de exemplares, o público que só a acessa através de espiada na capa é de dezenas de milhões.

 

 

 

1.4. Nesse contexto, a revista VEJA, desde janeiro/2005 até os presentes dias, vem repetindo capas de forma sucessiva, num total de oito (8) diversas e distintas, todas, de alguma forma, atingindo a imagem e nome do PT, constituindo robusto conjunto de ofensas não por coincidência sequenciais, formando sucessão de ações progressivas claramente destinadas a grafar negativamente a imagem do Partido e seus militantes, sem apego concreto com a realidade fática contida nas respectivas matérias insertas no corpo das revistas.

 

 

 

1.5. É fácil conferir :

 

 

 

1.7. A capa da edição 1889, de 26.01.05, na qual há orelhas de burro ocupando toda sua extensão, há seguinte título :

 

 

 

“ O PT DEIXOU O BRASIL MAIS BURRO?

 

 

O obscurantismo oficial condena o inglês, quer tirar a liberdade das universidades e mandar na cultura “

 

 

 

1.8. O mote da matéria, entretanto, não justificava o impacto de associar com espalhafato e intuito rotulador o Partido-Autor à burrice, pois tratava exclusivamente de discutir projetos para área universitária na qual se abordava (a) avaliação e controle na abertura das universidade privadas, em atendimento tanto ao art. 209, CF, como a reclamo de expressiva parcela da sociedade civil, como OAB e CRM, por exemplo, diante da proliferação de entidades de ensino de baixa qualidade e lucros exorbitantes, (b) métodos de inclusão social nas universidades privadas, em consonância com política de integração e acesso desenvolvido em inúmeros países civilizados e (c)  regulação das Fundações de pesquisa e apoio às universidades, buscando restringir o lucro privado extraído de equipamentos públicos, como detectado em inúmeras instituições em todo território nacional.

 

 

 

1.9. No mesmo passo, as demais justificativas para vincular pejorativamente a imagem do PT a orelhas de burro, como a eventual criação da Ancinav, cujas discussões democráticas e públicas ensejaram maturação do projeto, seguindo-se sobrestamento de implantação, e caráter não eliminatório da língua inglesa estritamente na primeira fase do exame de admissão ao Itamarati, não justificavam a conduta lesiva deliberadamente adotada pela VEJA até porque tratam-se de programas de governo, não do partido, envolvendo autoridades, profissionais e técnicos de filiações partidárias diversas ou mesmo nenhuma, como é o caso, p.e. do Ministro da Cultura, Gilberto Gil, responsável pelo projeto da Ancinav, do PV, ou do Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, diplomata de carreira.

 é diretor de redação da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 8 de novembro de 2005, 16h47

Comentários de leitores

12 comentários

Que bom a existência do direito de contraditóri...

Matos (Contabilista)

Que bom a existência do direito de contraditório. Todavia cada vez mais na tentativa de negar a existências dos fatos(corrupções)em seu governo, LULA tem - e ainda bem! - mais dificuldades na explicação de como , logo o seu governo, se envolveu em tantas confusões. O mais interessanta: Será que LULA não sabia, não sabe e não saberá? Que bom termos uma VEJA! pelo menos nós eleitores saberemos.

É justamente por causa de atitudes sérias e ind...

Sampaio (Assessor Técnico)

É justamente por causa de atitudes sérias e independentes da revista VEJA, que cumpre com maestria o seu dever de informar a população sobre a sujeira que existente nos entornos poder (e nesse ParTido em especial), é que há vários anos sou assinante dessa publicação. Só espero que a Justiça dê a resposta que o ParTidozinho merece: UMA IMPROCEDÊNCIA TOTAL DO PEDIDO, para que o mesmo também se torne capa de VEJA.

Está certa a Revista Veja? Estão certos os miss...

vivaldo (Advogado Sócio de Escritório - Trabalhista)

Está certa a Revista Veja? Estão certos os missivistas que estão contra as reportagens? Acompanho diariamente a TV Senado, pelo que tenho ouvido e visto, principalemnet nos depoimenstos , com o devido respeito; com toda a sincridade, vou falar a VERDADE9Palavars sempere inciais dos depoentes): Está certa a revista Veja. Pode ser que não possa provar de forma robusta, mas que o PT é uma podridão, não resta a menor dúvida.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/11/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.