Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tiro rápido

Estado indeniza por morte de inocente em blitz policial

O estado deve responder pelos danos provocados por seus agentes, independentemente da prova de culpa. O entendimento foi aplicado no caso de um pedreiro morto por policiais em uma blitz em Minas Gerais. A 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do estado determinou o pagamento de indenização de R$ 30 mil à família do pedreiro, além de pensão mensal para seu filho de 11 anos até que ele complete 24.

Segundo o relator do processo, desembargador Isalino Lisbôa, a Constituição Federal determina indenização a terceiros por dano causado por servidores ou prepostos estatais, independentemente da prova de culpa pela lesão.

De acordo com o inquérito policial, na noite de 20 de março de 1999, o pedreiro de 34 anos, seguia de carro pelas ruas do bairro Planalto, na cidade de Mateus Leme, quando foi abordado por várias unidades da Polícia Civil e Militar. Os policiais tentavam impedir o resgate de um preso na cadeia pública local por uma quadrilha de outro estado. Ouvindo os gritos dos policiais para que parasse o veículo, o amigo do pedreiro que estava na direção, deu ré na tentativa de desviar de uma viatura que obstruía a rua. Os policiais atiraram contra os ocupantes do carro, acertando o pedreiro que foi levado ao hospital onde morreu quatro dias depois.

Para o desembargador Isalino Lisbôa, “os agentes estatais agiram de forma desmedida no exercício de suas funções, quando, sem qualquer abordagem ao veículo da vítima, efetuaram disparos fatais”.

Lisbôa rejeitou os argumentos da defesa de que houve culpa exclusiva da vítima que agiu de maneira suspeita ao oferecer resistência à abordagem policial, na tentativa de fugir do local. Para o desembargador, a responsabilidade civil do estado ficou provada perante a gravidade da conduta dos policiais.

Revista Consultor Jurídico, 7 de novembro de 2005, 19h16

Comentários de leitores

1 comentário

No Brasil,aparentemente existe um "Tribunal de ...

Diego Mendes peixoto (Estagiário - Civil)

No Brasil,aparentemente existe um "Tribunal de Rua", onde maus policiais, que envergonham toda uma corporação,julgam e quase 100%, do casos condenam as pessoas,com isto, o Estado é obrigado sempre a pagar indenizações,pois não verificou a tempo,esses maus elementos, que são minoria,eles,tem que serem abolidos da corporação,o mais rápido possível,para não mais ocorrer estes "Julgamentos".

Comentários encerrados em 15/11/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.