Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tempo contado

Pis/Pasep é tributo e ação prescreve em 5 anos

Ação de PIS/Pasep é de natureza tributária e por isso não é possível estender o prazo prescricional para 30 anos como acontece com as contribuições do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço). O entendimento é do juiz André Dias Fernandes, substituto da 2ª Vara da Justiça Federal do Amapá.

Fundamentado no artigo 178, parágrafo 10, item III, do Código Civil de 1916 e no artigo 1º, do Decreto 20.910/32, o juiz decidiu que “as dívidas passivas da União, dos estados e dos municípios, bem assim todo e qualquer direito ou ação contra as fazendas federal, estadual e municipal, seja qual for a sua natureza, prescrevem em cinco anos contados da data do ato ou fato do qual se originarem”.

O juiz extinguiu, com julgamento do mérito, o processo de Sandra Monteiro Palmerin que pretendia receber expurgos inflacionários relativos às correções dos saldos do PIS/Pasep, nos meses de janeiro/89, abril e maio de 1990 e fevereiro de 1991. Cabe recurso.

André Dias Fernandes acatou o argumento da Advocacia-Geral da União de que prescreveu o prazo para atender a pretensão da autora da ação. A AGU sustentou também que depois da Constituição de 1998, o PIS/Pasep é tributo. Além disso, sustentou que o decreto 20.910/32 estabelece que a ação de cobrança das diferenças relativas a correção monetária e juros prescrevem em cinco anos.


Revista Consultor Jurídico, 17 de maio de 2005, 17h15

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 25/05/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.