Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Íntimo, mas impessoal

Depósito de Valério não compromete juízes, diz Ajufe

A Ajufe — Associação dos Juízes Federais divulgou nota em solidariedade à Ajufer — Associação dos Juízes Federais da 1ª Região em razão da notícia de um depósito de R$ 70 mil feito pelo publicitário Marcos Valério na conta da entidade. A transação foi identificada pela quebra de sigilo do empresário, suspeito de ser um dos operadores do mensalão.

Ajufer, de acordo com a Ajufe, é uma entidade autônoma e independente e, “como várias outras do gênero, realiza eventos patrocinados por empresas públicas”, que são examinados e aprovados pelo Tribunal de Contas da União. Em declaração à revista Consultor Jurídico, a presidente da Ajufer afirmou que o valor é referente a um patrocínio dos Correios a um evento promovido pela associação. Segundo ela, a estatal patrocinou dois eventos da Ajufer, no valor total de R$ 140 mil.

Para a Ajufe, o fato do valor do patrocínio ter saído de uma conta que está sendo investigada pela CPMI dos Correios “não significa que haja envolvimento da Ajufer com a DNA Comunicações”, de propriedade de Marcos Valério.

Leia íntegra da nota

Brasília, 26 de julho de 2005

NOTA OFICIAL

AJUFE se solidariza com AJUFER

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (AJUFE) externa sua solidariedade à Associação dos Juízes Federais da 1ª Região (AJUFER), em função das recentes notícias na imprensa sobre a transferência de valores da conta da agência DNA Comunicações, do empresário Marcos Valério, para a entidade.

A AJUFER, que congrega juízes federais vinculados ao Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região, com sede em Brasília, é uma entidade autônoma e independente e, como várias outras do gênero, realiza eventos patrocinados por empresas públicas. Patrocínios esses, ressalte-se, que são examinados e aprovados pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

O fato do valor do patrocínio em questão nas matérias ter saído de uma conta que está sob investigação da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Correios não significa que haja envolvimento da AJUFER com a DNA Comunicações. Não se pode desconfiar a priori da entidade, que buscou um patrocínio transparente e aprovado junto aos Correios, não tendo como se responsabilizar pela origem dos recursos nele envolvidos.

A AJUFE reitera sua confiança na forma ética com que vem sendo conduzida a AJUFER e reforça mais uma vez a determinação dos juízes federais de combater sem trégua a corrupção no país.

Jorge Antonio Maurique

Presidente da AJUFE

Revista Consultor Jurídico, 26 de julho de 2005, 17h04

Comentários de leitores

3 comentários

Em curto espaço de tempo, os fatos se encarrega...

Orlando Maluf (Advogado Sócio de Escritório)

Em curto espaço de tempo, os fatos se encarregam de cobrar a (in)“coerência” do Dr. Maurique, da AJUFE: “comprovado” que a associação (da 1ª Região) recebeu mensalão – entenda-se comprovado exclusivamente pelas manchetes destacadas dos jornais de hoje, 26/07, basta qualquer juiz federal decretar (em termos vagos, como tem ocorrido com escritórios de advocacia) a busca e apreensão de documentos e a prisão, para que a Policia Federal possa recolher (e algemar, de preferência) qualquer filiado da AJUFE, às escancarosas vistas das câmeras das TVs. Quem sabe os magistrados que hoje defendem este absurdo arbítrio possam aí entender a importância do devido processo e legal e da ampla defesa, que não são novidades como principio pétreo de nossa (ignorada) Constituição.

É engraçado, né! Quando é com os "outros", a pl...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

É engraçado, né! Quando é com os "outros", a plebe, a polícia federal entra logo em cena e arraza. E agora? As explicações são as mesmas que foram dadas por aqueles que foram massacrados para terem o direito de defesa depois. Eh país! Eh senhores!

Está na hora de acabar com essa hipocrisia do j...

Guilherme (Médico)

Está na hora de acabar com essa hipocrisia do judiciário de fazer festa com dinheiro público. Ninguém mais engole essa história de "Encontro de Magistrados" na Costa do Sauípe, ou em Gramado-RS, ou Porto de Galinhas. Fica muito feio aos juízes fazer isso e dizer que é congresso (10% de congresso e 90% de festa). E mais feio ainda é ficar pedindo dinheiro para empresas estatais bancarem tudo isso, para depois poderem dizer que "não foi com dinheiro do judiciário", e ainda dizer, como diz o José Dirceu, que "o Tribunal de Contas aprovou tudo". O Tribunal de Vossas Excelências deve ser as suas consciências. Parem com isso que é muito feio mesmo e a sociedade está de olho há muito tempo. E o momento é este, em que respingou lama do escândalo do PT na toga de muitos magistrados. Os senhores devem ser exemplo de conduta para a sociedade. O juiz não deve ter "conduta irrepreensível na sua vida pública e particular" ? Não é isso que diz a lei ? Pois o que dizer agora com esse depósito do sr. Marcos Valério ?

Comentários encerrados em 03/08/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.