Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Origem dos bens

Deputado das malas de dinheiro já responde processo no STF

O bispo e deputado federal João Batista Ramos da Silva (PFL-SP) flagrado nesta segunda-feira (11/7), pela Polícia Federal no aeroporto de Brasília, embarcando para Goiânia, com sete malas cheias de dinheiro, acumula desde 1992 cargos e posições importantes na Igreja Universal do Reino de Deus.

Ramos da Silva já está sendo investigado desde outubro passado por ordem do Supremo Tribunal Federal. O inquérito foi aberto a pedido do Ministério Público Federal para apurar crimes de falsidade ideológica e contra a ordem tributária. As informações são do jornal O Globo.

Isso porque o deputado, que é um dos homens de confiança do bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal, tem seu nome como sócio ou presidente em pelo menos cinco empresas ligadas à rede Record, segundo o Ministério das Comunicações.

Ele também é sócio-gerente e dirigente da TV Cabrália, na Bahia e da Rádio e TV Record de São Paulo, além de um dos sócios da rádio 99 FM de Santo André e da Rádio Atalaia de Londrina.

A Constituição e o Código Brasileiro de Telecomunicações proíbem que a diretoria ou a gerência de empresas de radiodifusão sejam ocupadas por pessoas com imunidade parlamentar ou foro especial.

Tanto a compra da emissora TV Record Rio e as empresas que era sócio Unimetro Empreendimentos, que a Universal usa para administrar imóveis, associada a Investholding e Cableinvest com sede em paraísos fiscais e responsáveis pelo empréstimo da TV Record Rio, foram objetos de investigação do Ministério Público Federal no inquérito de evasão de divisas por parte de membros da seita.

Para completar, seu nome esteve envolvido em uma série de denúncias sobre contrabando de equipamentos em 2000. Época que o Tribunal Regional Federal o acusou, juntamente com Edir Macedo e outros cinco pastores, de crime de descaminho e uso de documento falso em importação de equipamentos para a Rádio Record, que pertence à igreja.

Revista Consultor Jurídico, 12 de julho de 2005, 14h57

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 20/07/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.