Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ferramenta de Justiça

Judiciário apresenta crescente contribuição à arbitragem

Por 

Após longos anos de letargia da arbitragem no Brasil, essa importante forma de solução de conflitos tem desenvolvimento galopante e consistente no país. E o Poder Judiciário brasileiro vem acompanhando as evoluções proferindo decisões que refletem o bom conhecimento sobre a matéria.

A atuação do Poder Judiciário contribui para a evolução do instituto e funciona como um termômetro para detectar as questões polêmicas e as tendências de determinado país quando o assunto é arbitragem. Isso porque, como as sentenças arbitrais, em sua maioria, não são públicas, é no âmbito judicial que as controvérsias vêm à tona, possibilitando as discussões sobre a melhora e as possíveis soluções para a arbitragem.

De acordo com uma pesquisa que fiz junto a fontes nacionais e internacionais, foi possível verificar as áreas e os casos nos quais a arbitragem tem sido freqüentemente utilizada no exterior e no Brasil, os fatores que influenciam a duração de uma arbitragem, o papel do Poder Judiciário na arbitragem e as principais questões que suscitam discussões.

No Brasil, conforme a tendência internacional, as questões mais resolvidas por meio da arbitragem estão relacionadas às áreas de energia, de construção, engenharia e de telecomunicações. As disputas normalmente decorrem de contratos comerciais entre particulares, contratos administrativos ou envolvendo empresas ligadas à administração pública (como revisão, rescisão e interpretação de suas cláusulas) e também de contratos sociais.

A lei brasileira deixa às partes, direta ou indiretamente — por meio de referência a um regulamento de uma instituição arbitral —, a faculdade de decidirem sobre o prazo para o proferimento da sentença arbitral. No silêncio, o prazo máximo é de seis meses, nos termos da Lei 9.307, de 1996. Normalmente os árbitros, as partes ou o regulamento da câmara arbitral utilizada estipulam o termo máximo de uma arbitragem, que em média dura de seis a 18 meses.

Diversos fatores influenciam o tempo que durará um procedimento de arbitragem, dentre os quais destacam-se: regulamentos de câmaras arbitrais — alguns deles com previsão de prazos extensos ou que não prevejam solução para hipóteses controvertidas —, conduta das partes de advogados — que pode ser excessivamente litigiosa —, qualidade ou ausência desta dos árbitros, incidentes suscitados pelas partes perante o Poder Judiciário, a complexidade do litígio e a sua instrução probatória.

Os problemas acima destacados podem ser contornados com precauções como a escolha de uma instituição arbitral idônea e competente, o esclarecimento, pelos advogados, sobre o verdadeiro espírito da arbitragem às partes, a eleição consciente de árbitros idôneos, o intercâmbio e o trabalho conjunto com o Poder Judiciário e a postura dos árbitros rígida e nos estritos conformes das leis, atentando aos princípios do contraditório, da ampla defesa e da imparcialidade.

Ademais, se é verdade que as decisões judiciais não vinculam os árbitros, também é fato que possuem grande influência nas decisões arbitrais, pois os árbitros, com freqüência, levam em conta a jurisprudência judicial para fundamentar a forma e o mérito de suas decisões. Os bons árbitros sempre buscarão conhecer a interpretação que os tribunais judiciais têm dado a questões controvertidas, visando proferir uma sentença o menos inatacável possível do ponto de vista formal. As câmaras arbitrais também permanecem atentas às decisões judiciais relativas a procedimentos arbitrais, procurando aperfeiçoar e conformar seus regulamentos para evitar ter anuladas sentenças de arbitragens sob sua administração.

O Poder Judiciário dos países em que a arbitragem é um instituto desenvolvido tem muito colaborado com a arbitragem, exercendo o controle das decisões arbitrais dentro dos limites da lei. Em países nos quais a arbitragem é recente, infelizmente o mesmo não ocorre, havendo ainda muito preconceito e desinformação sobre o instituto. Todavia, é de se ressaltar que o Poder Judiciário brasileiro tem se mostrado como uma verdadeira exceção a essa regra, apresentando uma crescente contribuição com a arbitragem.

Um exemplo disso é que as questões mais polêmicas na jurisprudência nacional e internacional — tais como a arbitrabilidade dos litígios envolvendo a administração pública, a validade e auto-suficiência da cláusula compromissória cheia, a aplicação do princípio da autonomia da vontade e a obtenção e o deferimento de cautelares antes e no curso do procedimento arbitral — têm sido decididas favoravelmente à arbitragem, fazendo valer princípios de boa-fé contratual e mesmo princípios peculiares ao direito arbitral.

De fato, a arbitragem e o Poder Judiciário possuem papéis complementares, sendo que este, no Brasil, tem acompanhado as tendências internacionais, tornando-se um líder na América Latina no assunto. Tudo isso é positivo e ajuda a consagrar a arbitragem como um instituto sério, consistente e útil à administração da justiça em nosso país.

Artigo publicado em 7/7/05 no jornal Valor Econômico.

 é advogada e sócia do escritório Castro & Barros Advogados.

Revista Consultor Jurídico, 7 de julho de 2005, 13h00

Comentários de leitores

1 comentário

o grande óbice que enfrenta a Lei de Arbitragem...

Julius Cesar (Bacharel)

o grande óbice que enfrenta a Lei de Arbitragem é sua incompetência para julgar causas em que a Fazenda Pública é parte . A lei do Juizado Especial Civel padece do mesmo óbice. Concito o Governo Federal a elaborar uma MP ou algum congressista apresentar projeto - de -lei suprimindo este óbice das citadas leis. Não é possível que alguém que queira se queixar de uma conta de água alta, precise ajuizar uma ação em uma das Varas Civeis da Justiça Comum, atravancando processos de toda ordem.

Comentários encerrados em 15/07/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.