Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Luta da classe

Entidades repudiam busca e apreensão em escritórios

O Conselho da Acrimesp – Associação dos Advogados Criminalistas de São Paulo, a Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo e a AASP -- Associação dos Advogados de São Paulo manifestaram, hoje, intenção de reagir contra abusos nas autorizações judiciais de apreensão e busca em escritórios da cidade.

“Tanto a OAB-SP como a AASP estão atentas a este grave problema que envolve a violação das prerrogativas profissionais dos advogados e o sagrado direito de defesa dos cidadãos”, afirmou o presidente da seccional da ordem Luiz Flávio Borges D’Urso.

No dia 26 de abril, o D’Urso pediu que o ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos e a presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região Anna Maria Pimentel tomassem medidas para solucionar o impasse. De acordo com o presidente da OAB-SP, duas prerrogativas vêm sendo violadas: o sigilo entre advogado e cliente e a inviolabilidade dos escritórios.

No ofício, ele citou voto do ministro do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello, segundo o qual, a investigação parlamentar, judicial ou administrativa, não prescinde do respeito das normas que visam equacionar, no contexto do sistema constitucional, a situação de contínua tensão entre “o poder do Estado (que jamais deverá revestir-se de caráter ilimitado) e os direitos da pessoa (que não poderão impor-se de forma absoluta)”.

Já a Acrimesp anunciou que irá fazer representação ao Ministério da Justiça e aos Tribunais Superiores para que a Lei Federal 8.906/94 (estatuto dos advogados) seja respeitada e que medidas sejam adotadas para que qualquer violação às prerrogativas profissionais.

“Não podemos mais aceitar atos de arbitrariedade que nos remetem a porões de antigas ditaduras, nem que se ameace aquilo por que tantos de nós têm lutado, que é a consolidação de um Estado de Direito verdadeiramente democrático”, disse o presidente da entidade Ademar Gomes.

Revista Consultor Jurídico, 28 de abril de 2005, 20h24

Comentários de leitores

1 comentário

A solução é a criação de uma Delegacia Especial...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

A solução é a criação de uma Delegacia Especializada em Crimes Praticados por Agentes Públicos contra Advogados no Exercício da Profissão. Já se chegou no limite! A atuação de parcela da Polícia Federal está avalizada e conversações é só perda de tempo. Aliás, é melhor mesmo que os "inimigos irrestritos dos advogados e da advocacia mostrem suas caras" (não é verdade Dr. Paulo Sérgio Leite Fernandes?).

Comentários encerrados em 06/05/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.