Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Em causa própria

STJ mantém ação contra Luiz Francisco e Schelb

O Ministério Público Federal não conseguiu arquivar a notícia-crime contra os procuradores Guilherme Schelb e Luiz Francisco de Souza. O governo federal acusa os procuradores de vazar informações consideradas confidenciais pela Abin — Agência Brasileira de Inteligência para a imprensa, o que caracterizaria crime contra a administração pública. As informações são do site do Superior Tribunal de Justiça.

A Corte Especial do STJ rejeitou o pedido de arquivamento feito pelo MPF. Segundo o relator da notícia-crime, ministro Ari Pargendler, o procurador-geral da República deve ser intimado sobre o fato de que os procuradores não foram ouvidos na apuração interna do Ministério Público.

Para o ministro, isso demonstra que não aconteceu uma investigação nos moldes determinados pelo Estatuto do Ministério Público da União. A decisão foi tomada por maioria.

O parágrafo único do artigo 18 da Lei Complementar 75 (Estatuto do MPU) estabelece que, em casos como esse, o indício de prática de infração penal deve ser apurado. Não foi o que ocorreu, conforme destacou em seu voto o relator da matéria no STJ. O ministro ressaltou que não houve no MPF qualquer esboço de apuração do fato que envolveu os procuradores denunciados na representação da Procuradoria-Geral da União.

As informações vazadas para a imprensa teriam sido prestadas em depoimento feito pelo ex-diretor da Abin coronel Ariel Rocha de Cunto aos procuradores acusados. O MPF pediu o arquivamento da notícia-crime alegando que não havia sido feita qualquer varredura em busca de escutas na sala em que o depoimento do coronel foi tomado.

Representação

Guilherme Schelb e Luiz Francisco de Souza são acusados pelo governo federal de repassar informações secretas da Abin para o jornal Folha de S. Paulo, publicadas em notícia do dia 6 de dezembro de 2000.

A reportagem teve acesso a documento classificado como secreto e preparado pela Abin intitulado \\\\\\"Plano Nacional de Inteligência\\\\\\". Segundo o texto, o documento indicaria que a instituição estabeleceu como meta de trabalho um amplo e geral acompanhamento das atividades de praticamente todos os setores da sociedade brasileira, de lideranças religiosas a ONGs. A notícia cita como fonte os procuradores acusados.

Segundo a representação, eles infringiram o Estatuto do MPU, que obriga seus membros a manter o caráter sigiloso da informação, do registro, do dado ou do documento que lhes seja fornecido (artigo 8º da Lei Complementar 75/1993). Também devem \\\\\\"guardar segredo sobre assunto de caráter sigiloso que conheça em razão do cargo ou função”. Os procuradores ainda teriam infringido o artigo 325 do Código Penal, que define como crime de violação de sigilo funcional revelar fato de que a pessoa tem ciência em razão do cargo e que deva permanecer em segredo.

O ministro Ari Pargendler afirmou: \\\\\\"não estamos diante de um inquérito, mas de uma notícia-crime e do seu pedido de arquivamento, sem que tivessem sido ouvidos os procuradores envolvidos\\\\\\".

Em seu favor, os procuradores sempre poderão vindicar o interesse público envolvido e o direito constitucional da sociedade às informações de seu interesse. O episódio, contudo, reforça a demanda de advogados e alvos do MP que reclamam da instituição alguma autocrítica e punição para abusos cometidos por seus integrantes.

Contra Schelb já pesa a acusação de ter usado seu poder institucional em benefício próprio e em desfavor de Luiz Francisco há o fato de o procurador ter terceirizado suas funções, assinando denúncias e ações produzidas por protagonistas interessados na causa.

A condescendência da PGR com os seus, em fenômeno semelhante ao que se vê na corporação jornalística, que igualmente contemporiza com os desvios de seus integrantes, contribui para o desencanto da sociedade das importantes instituições e para o descrédito do seu trabalho.

NC 358

Revista Consultor Jurídico, 20 de abril de 2005, 16h59

Comentários de leitores

3 comentários

Segundo a giria policial, aquele que passa info...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Segundo a giria policial, aquele que passa informações é "ganso", geralmente esperando uma parte do "produto" da "alcaguetagem".Assim vai sustentando seu vício, sua "nóia". Quem é mais bandido?

Ué, o MP não quer tanto investigar? Não estou e...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Ué, o MP não quer tanto investigar? Não estou entendendo nada!. Pedido de arquivamente? Por muito menos os referidos senhores já destruiram cidadãos presumidos inocentes, com base em notícias de jornais, tudo a revelar dois pesos e duas medidas. Pode?

Esta não é a primeira vez que o MPF arquiva den...

Eduardo Jorge (Consultor)

Esta não é a primeira vez que o MPF arquiva denúncias contra seus membros sem investigar. No caso Eduardo Jorge isso ocorreu diversas vezes e até hoje eu luto, sem sucesso, para que eles façam as investigações relativas às irregularidades cometidas por Luiz Francisco e Schelb.

Comentários encerrados em 28/04/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.