Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Prisão em flagrante

Advogado é preso por tentar estuprar menina de 12 anos

O advogado Antônio Wagner Cássio Oliveira, 23 anos, foi preso em flagrante por tentativa de estupro contra uma menina de 12 anos, por volta das 21h de terça-feira (5/4). A tentativa teria ocorrido no apartamento do advogado, no bairro Baú, em Cuiabá.

De acordo com a adolescente, ela estava na companhia de uma amiga de 14 anos, no bairro Dom Aquino, quando ele passou de carro, um Fiat Uno e as convidou para ir ao supermercado.

Segundo a versão delas, entraram no carro, só que não foram levadas a mercado algum. As duas garotas são moradoras do Dom Aquino. Durante o trajeto, ele mudou a rota e os três terminaram no apartamento dele. A mais velha ficou na sala da casa enquanto a mais jovem foi para o quarto.

Lá, o advogado teria se despido e tirado também a roupa da garota, que assustada deixou o local aos gritos. As duas saíram do apartamento e estavam indo embora quando ele, nu, saiu pelo corredor do prédio no intuito de segurar as duas meninas.

Elas voltaram para o apartamento. De lá, ele teria então ligado para uma amiga pedindo que as levasse novamente para casa. Minutos depois, uma mulher loira chegou e pediu que as meninas saíssem com ela. Já no bairro Dom Aquino, antes de descerem do carro, cada uma recebeu a quantia de R$ 5.

Em casa, as duas contaram o que havia acontecido e a Polícia Militar foi acionada. O advogado foi preso em seu apartamento e levado para a Central Metropolitana para prestar depoimento.

Na delegacia, ele disse que imaginou que as meninas fossem mais velhas. A reportagem tentou conversar com ele, sem sucesso. Ele alegou que não queria falar com a imprensa.

Fonte: A Gazeta -- Patrícia Neves

Revista Consultor Jurídico, 8 de abril de 2005, 13h10

Comentários de leitores

11 comentários

Depois dessa onda de sensacionalismo que surgiu...

Joao Daniel dos Santos (Comerciante)

Depois dessa onda de sensacionalismo que surgiu com a enxurrada de casos de pedofillia e com o advento desse ECA protecionista e retrógrado, essas meninas "casam e batisam". Essa história de convite pra ir ao supermercado é "história pra boi dormir" E outra: Essas "adolescentes" de hoje são muito mais espertalhonas que muito marmanjo por aí, por isso, jamais iriam aceitar entrar no carro de um estranho a troco de nada. Cuidado pessoal! Debaixo desse angu tem caroço! Que os fatos sejam apurados rigorosamente e que a verdade se revele para que, só assim, se faça, de fato, justiça.

Historinhas pitorescas que ja...

hammer eduardo (Consultor)

Historinhas pitorescas que ja começam mal contadas e cheias de furos ja levantam no minimo suspeitas. Como sempre vemos desde os primeiros momentos o nauseabundo "coleguismo a qualquer preço" . Não acredito que este seja o caminho , afinal todo mundo tem direito a ampla defesa e toda aquela verborragia engarrafada que ja sabemos, porem se o moço em questão for considerado culpado com provas serias, cabe a Justiça guardar o elemento e de preferencia jogar a chave fora. Esse é um dos crimes mais nojentos que se pode ter noticia , porem via de regra, no periodo em que estiver encanado, ja vale a "lei da cadeia" em que estupradores ou molestadores de menores tem um "tratamento VIP" ja bem conhecido no jargão policial em que entram fulando de tal e saem "odete" , se é que me faço entender. O estatuto do menor ainda tem demagogia demais porem esse item é praticamente auto-explicativo. Quem não deve não teme, porem se for o caso , o moço pode passar um bom periodo com dificuldades para sentar corretamente........

É preciso cuidado com essas "menores". Tenho ce...

Luís da Velosa (Advogado Autônomo)

É preciso cuidado com essas "menores". Tenho certeza que o fato ocorreu de forma completamente diferente. Será que o advogado não pagou pouco? Agora, o problema está com o Estado-Juiz. Ele errou em "carregar" menores para o seu apartamento, quando sequer devia dar carona.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/04/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.