Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Concursado demitido

Servidor concursado pode ser demitido sem justa causa, entende TST.

Ser admitido em concurso público não garante ao servidor regido pela CLT a estabilidade no emprego. O Tribunal Superior do Trabalho admite a possibilidade de dispensa imotivada de servidor público concursado que trabalha em empresa pública ou sociedade de economia mista.

Com base na atual jurisprudência do TST, a Quarta Turma acolheu recurso do Banco do Estado de São Paulo S/A (Banespa) e reformou a decisão de segunda instância que havia condenado a instituição financeira a reintegrar um funcionário demitido sem justa causa.

Para o relator do recurso, juiz convocado Luiz Antonio Lazarim, “as normas benéficas instituídas pelo empregador em Regulamento Interno demandam interpretação restritiva, não se justificando extrair estabilidade de todos os empregados, quando expressamente não consignada no ato empresarial”, afirmou.

O Tribunal Regional do Trabalho do Paraná anulou o ato de dispensa e determinou a reintegração do funcionário ao emprego por entender que as normas regulamentadoras internas limitam o poder do banco de dispensar seus empregados. De acordo com o TRT-PR, tais normas prevêem que a demissão seja aplicada apenas com caráter punitivo.

Segundo o TST, o funcionário foi admitido em 15 de outubro de 1987 para trabalhar na agência Banespa em Curitiba (PR). Foi admitido em 12 de julho de 1996 em função da necessidade de enxugamento do quadro de funcionários da instituição financeira. Logo depois ajuizou reclamação trabalhista contra o Banespa, no qual pleiteou, inicialmente, a declaração de nulidade da dispensa imotivada e a conseqüente reintegração ao serviço. O empregado também requereu outros direitos como hora extra e gratificação.

Em primeira instância, a reintegração também foi negada. O ex-funcionário recorreu ao TRT-PR que aceitou os argumentos. O Tribunal Superior do Trabalho, no entanto, reformou a decisão.

RR 575579/1999

Revista Consultor Jurídico, 20 de setembro de 2004, 9h06

Comentários de leitores

7 comentários

E por que o TJ-SP não demite aqueles que já est...

Antonio Fernandes Neto (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

E por que o TJ-SP não demite aqueles que já estão "em greve" há mais de três meses, prejudicando os coitados que não pertencem à casta dos funcionários do judiciário? Será que todos eles são "estatutários"? CLT em todos eles, que desacatam os jurisdicionados, descaradamente com essa "greve" irracional. Já notaram que em todos os Cartórios da Justiça Estadual, a primeira coisa que se lê é um "lembrete" a advogados e jurisdicionados, de que "desacatar funcionário público dá processo penal"? Como a impunidade campeia neste País, continuaremos sempre com essa lenga-lenga.

E por que o TJ-SP não demite aqueles que já est...

Antonio Fernandes Neto (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

E por que o TJ-SP não demite aqueles que já estão "em greve" há mais de três meses, prejudicando os coitados que não pertencem à casta dos funcionários do judiciário? Será que todos eles são "estatutários"? CLT em todos eles, que desacatam os jurisdicionados, descaradamente com essa "greve" irracional. Já notaram que em todos os Cartórios da Justiça Estadual, a primeira coisa que se lê é um "lembrete" a advogados e jurisdicionados, de que "desacatar funcionário público dá processo penal"? Como a impunidade campeia neste País, continuaremos sempre com essa lenga-lenga.

E por que o TJ-SP não demite aqueles que já est...

Antonio Fernandes Neto (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

E por que o TJ-SP não demite aqueles que já estão "em greve" há mais de três meses, prejudicando os coitados que não pertencem à casta dos funcionários do judiciário? Será que todos eles são "estatutários"? CLT em todos eles, que desacatam os jurisdicionados, descaradamente com essa "greve" irracional. Já notaram que em todos os Cartórios da Justiça Estadual, a primeira coisa que se lê é um "lembrete" a advogados e jurisdicionados, de que "desacatar funcionário público dá processo penal"? Como a impunidade campeia neste País, continuaremos sempre com essa lenga-lenga.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 28/09/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.