Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Cartão amarelo

Tribunal de Justiça do PA censura juiz por brigar em boate

O colegiado do Tribunal de Justiça do Pará decidiu, por maioria de votos, aplicar a pena de censura ao juiz substituto Adelino Arrais Gomes da Silva, da comarca de Santarém. Ele respondeu a processo administrativo por se envolver em briga numa casa noturna da cidade, no oeste do Pará. Na ocasião, Gomes sacou uma arma que portava sem a devida autorização.

O advogado de defesa, Almerindo Trindade, alegou que não se pode reprovar a conduta de um juiz por freqüentar uma boate, hábito comum a outros magistrados, conforme consta dos autos.

Trindade também argumentou que o exame de dosagem alcoólica indicou “embriagues com ressalva”, o que não pode corroborar “que o juiz estava embriagado, embora tenha ingerido cerveja”. Segundo ele, o juiz foi agredido e desrespeitado por funcionários da boate e por policiais militares. Ao se apresentar como juiz, os policiais militares, “humilharam o magistrado ao afirmar que ele era juiz de futebol”.

De acordo com uma testemunha que presenciou o episódio, Gomes foi agredido com um soco ao esbarrar em um freqüentador da boate. Pelos depoimentos e pela versão do juiz, depois de se identificar, o magistrado procurou o segurança do local, e pediu que o mesmo fechasse a boate e ligasse as luzes, para que pudesse identificar o agressor. Ele não foi atendido.

Nesse momento, segundo a defesa, surgiram a funcionária da bilheteria, que estapeou Gomes, e outro rapaz, que também lhe agrediu. O juiz recuou, sacou o revólver descarregado e atingiu seu agressor nos lábios com o cano da arma.

Panorama

O procedimento contra o juiz iniciou com a apresentação dos fatos pela corregedora de Justiça do Interior, desembargadora Carmencin Marques Cavalcante, aos desembargadores do Órgão Especial. À época, ela solicitou que os fatos fossem submetidos à apreciação do Conselho da Magistratura para instauração do procedimento administrativo e, ainda, o afastamento provisório do juiz do exercício da função.

O relatório da Corregedoria comprova que o juiz fez a solicitação verbal de duas armas, vinculadas a um processo, do setor de arquivo daquela comarca. A pistola utilizada na boate foi entregue, em março de 2003, ficando em poder de Gomes mesmo tendo sido indeferido o pedido de utilização por falta de previsão legal.

Outra pistola, de calibre 9mm, foi entregue a ele em junho do mesmo ano, conforme declaração da funcionária responsável pelo setor de arquivo de processos, armas e materiais apreendidos. Gomes disse que cometeu equívoco na interpretação do indeferimento da corregedora, não sendo intencional o descumprimento da decisão.

No episódio da casa noturna, o magistrado declarou que os policiais, além de não tomarem providências para defendê-lo, o trataram de forma ofensiva. Os policiais alegaram que na ocasião, o juiz estava em aparente estado de embriaguez. Na ocasião, não foi feito exame clínico que atesta o estado alcoólico.

Segundo o TJ do Pará, ao analisar os fatos, o relator Rômulo José Ferreira Nunes entendeu que o juiz foi agredido e passou à condição de agressor ao ferir o segurança da boate. Nunes apoiou-se na Lei Orgânica da Magistratura, artigo 35, VIII que exige conduta irrepreensível do magistrado na vida pública e particular.

“Tenho que o indiciado envolveu-se involuntariamente nos fatos narrados devido à agressão sofrida que o deixou exaltado emocionalmente, atraindo para si os focos da mídia local”, concluiu o relator. No entanto, ele entendeu que a maior falta do indiciado foi descumprir a decisão da Corregedoria de Justiça do Interior, não estando configurada a gravidade da conduta que exigisse a pena de demissão do cargo.

A presidente do TJ-PA, desembargadora Maria de Nazareth Brabo de Souza, acompanhou o relator. Acrescentou, na penalidade, que não seja contado o tempo que o juiz ficou afastado para efeito de cumprimento do estágio probatório de dois anos.

Revista Consultor Jurídico, 9 de setembro de 2004, 17h32

Comentários de leitores

7 comentários

O fato de um Magistrado ter de manter uma condu...

Rogério de Campos ()

O fato de um Magistrado ter de manter uma conduta social ilibada, não lhe retira o direito de se defender diante de uma agressão injusta, aliás, no caso vertente, tal agressão ao funcionário sequer caracteriza crime, nos termos do art. 23, II, do Código Penal.

Não sou o dono da verdade, porém, me indago: O ...

Busato ()

Não sou o dono da verdade, porém, me indago: O que é que tem demais uma pessoa ir numa Boate com amigos e tomar uma cervejinha? Seja ele Juiz, Promotor, Empresário, dentista, Médico etc!! Ocorre que, sendo o frequentador da Casa noturna um Juiz, faz com que outros, às vezes, queiram se aparecer e tirar uma lasquinha. Pô, no caso em tela, ao que parece, todo mundo deu porrada no Juiz dentro da Boate. Ele deveria fazer o que? deixar que batessem nele sem nada fazer? Olha sou contra a violência, no entento, devido as circunstâncias acho que foi boa a atitude dele por também ter descido o braço em seus agressores. Excelente a decisão do TJPA.

Discordo tanto dos que desculpam a atitude do j...

André Pessoa ()

Discordo tanto dos que desculpam a atitude do juiz quanto dos que se mostram indignados com a suposta pequenez da pena. Do ponto de vista estritamente administrativo, a punição foi adequada: demonstrou de modo claro o desacerto da atitude do magistrado, causando-lhe ônus real, sem no entanto levá-lo ao linchamento moral. O Tribunal de Justiça do Pará já demonstrou mais de uma vez que não é conivente com atitudes chauvinistas ou ilegais dos juízes. Do ponto de vista penal, cabe ao Ministério Público iniciar eventual ação por porte ilegal de arma.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 17/09/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.