Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Primeira Leitura

The New York Times admite falha em cobertura de guerra

Não é bem assim...

O iminente aumento de juros nos Estados Unidos ainda não foi totalmente incorporado aos ativos, como sustenta a área econômica do governo. Prova disso é que grandes bancos continuam a reduzir sua exposição a países emergentes. E o mercado segue reagindo a esses movimentos de forma intensa.

Vai prosseguir

O J.P. Morgan rebaixou ontem a sua exposição às dívidas do Brasil, Turquia e Equador de marketweight (peso na média) para underweight (peso abaixo na média). Foi a segunda vez que o banco revisou sua carteira de títulos de emergentes neste ano. A argumentação é que o banco central americano, o Fed, está “atrasado” em termos de política monetária, mas deve aumentar o juro em 1,25 ponto percentual ainda em 2004 para conter a inflação. Para o J.P. Morgan, o movimento de venda de títulos de emergentes deve prosseguir.

Estresse

Imediatamente depois do anúncio, o mercado sofreu forte deterioração, revelando que a volatilidade é a marca do novo tempo. A trégua no mercado de câmbio, na terça-feira, por exemplo, cedeu imediatamente às apostas de um real ainda mais fraco. O dólar subiu 0,76%, cotado a R$ 3,163, apesar das grandes captações em moeda estrangeira feitas por empresas nos últimos dias. Na Bovespa, o humor oscilou muito. A Bolsa paulista, no fechamento, registrou alta de 1%. O recuo do risco do Brasil para menos de 700 pontos saiu da pauta de curto prazo. A taxa subiu 3%, para 710 pontos.

O espaço do BC

Os juros no mercado futuro seguem sinalizando que é nulo o espaço do Banco Central para reduzir a taxa-Selic em 2004. Os contratos com vencimento em janeiro de 2005, que são os mais negociados, projetaram taxa de 17,71% ao ano, alta de 0,26 ponto percentual em relação ao fechamento de terça.

Seu bolso – 1

Tanto o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) quanto a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) apuraram aceleração dos preços nas últimas semanas. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), calculado pelo IBGE, teve variação de 0,54% em maio, mais que o dobro do resultado de abril, de 0,21%. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), da Fipe, teve alta de 0,49% na terceira prévia de maio. Na segunda quadrissemana do mês, havia ficado em 0,39%.

Seu bolso – 2

A Petrobras Distribuidora e a Shell anunciaram ontem reajuste de 1,5% no preço da gasolina vendida aos postos nas regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste. O aumento se deve à decisão dos usineiros de elevar o preço do álcool, usado na composição da gasolina, que alegam escassez de estoques. De acordo com o presidente da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes, Gil Siufo, o impacto para o consumidor deve ser de 10% ou de R$ 0,02.

Seu bolso –3

O álcool combustível, por sua vez, terá percentual médio de reajuste de 12% no Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte e de 17% em São Paulo. Essa alta deve representar um aumento de R$ 0,10 por litro para o consumidor.

Assim falou... Luiz Marinho

“Vamos corrigir essa tabela nem que seja na marra.”

Do presidente da CUT, sobre a tabela do imposto de renda, em raro momento em que fala como sindicalista, e não como ministro informal do governo.

Autocrítica que vale como política

O diário americano The New York Times trouxe na sua edição de ontem um editorial assinado pelo corpo de editores afirmando que, apesar de o jornal poder se orgulhar da maioria de suas notícias sobre o Iraque, houve falhas em sua própria cobertura jornalística no período pré-guerra iraquiana e mesmo durante o conflito. “Encontramos vários casos em que a cobertura não foi tão rigorosa quanto deveria ter sido. Em certas ocasiões, informações que à época eram controversas, e que agora parecem ser questionáveis, foram precariamente qualificadas ou mantidas na condição de inquestionáveis”, diz o texto.

O editorial acrescenta que, “olhando para trás”, o jornal gostaria de ter sido mais agressivo ao reexaminar as alegações à medida que as novas evidências emergiam — ou deixavam de emergir. Segundo o Times, seus editores, em vários níveis, que deveriam cobrar de repórteres mais ceticismo, estavam talvez “demasiadamente ansiosos por conseguir furos [exclusividade] de reportagem”. O jornal, assim, reconhece que falhou ao não apontar os erros do governo americano no processo. Pior para o presidente George W. Bush, que se vê acuado por uma das publicações mais influentes do mundo em pleno ano eleitoral.

Revista Consultor Jurídico, 27 de maio de 2004, 14h05

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/06/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.