Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Primeira Leitura

Taxa de desemprego bate novo recorde em São Paulo

Brasil vulnerável

Um dia depois da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de manter a taxa básica de juros em 16% ao ano, o mercado reagiu com venda de ações de empresas na Bovespa, alta do dólar, dos juros futuros e da taxa de risco do país e com a desvalorização dos títulos brasileiros no exterior.

Wall Street

Para grandes bancos de Wall Street, a decisão reforçou a percepção de investidores de que o Brasil está desprotegido no atual cenário de turbulência. A reação, de certo modo, ocorreria se o Copom tivesse, ao contrário do que fez, reduzido a Selic. Como o mercado estava dividido nas suas apostas, era previsível que haveria insatisfeitos.

Complicador

A novidade foi a intensidade da reação, que acabou maior por causa do resultado das contas externas do Brasil, que mostrou forte queda do investimento estrangeiro em abril (veja abaixo).

Números da crise

O dólar fechou ontem em alta de 2,55%, cotado a R$ 3,214. A Bovespa, em queda de 2,4%. Os contratos de juros com vencimento em janeiro, que são os mais negociados, projetaram taxa de 17,8% ao ano, alta expressiva em relação ao fechamento de quarta, quando estava em 17,04%. E o risco do país aumentou 6,32%, para 756 pontos básicos.

Palavras duras

Uma mostra do que ocorreu em Wall Street é o depoimento da diretora-adjunta de Economia Internacional do banco Bear Stearns, Emy Shayo. Segundo ela, ao manter os juros em 16%, “o Banco Central, em vez de guiar o mercado, está seguindo o mercado”.

Mais palavras

Para o economista-chefe para América Latina do fundo Alliance Capital Management, James Barrineau, manter a taxa-Selic foi um “erro evidente” do Copom, que teria, com isso, sancionado a idéia de que o Brasil não é capaz de conduzir política monetária num cenário de volatilidade, mesmo que os números da inflação venham comportados.

E agora?

Outros bancos relatam a piora das expectativas quanto ao crescimento e a possibilidade de o BC só encontrar espaço para uma redução dos juros em dois ou três meses. Se encontrar.

Versão light

O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Bernard Appy, procurou fazer uma avaliação serena do cenário. Ele disse acreditar que a turbulência nos mercados é passageira. “É um processo de ajuste”, resumiu, não algo que possa fugir do controle.

Perigo?

Os investimentos estrangeiros diretos somaram US$ 381 milhões em abril, bem abaixo das previsões do governo, de entrada de US$ 500 milhões, e do resultado do mesmo período de 2003, quando ingressaram US$ 796 milhões. O dado consta de relatório divulgado ontem pelo Banco Central. O desempenho é o pior desde outubro do ano passado, quando os ingressos totalizaram US$ 314 milhões.

Perigo!

A Região Metropolitana de São Paulo criou 124 mil empregos em abril. Mesmo assim, a taxa de desemprego registrou leve alta, de 20,6% da população economicamente ativa (PEA) em março, para 20,07% no mês passado. Esse quadro é decorrente da entrada de 168 mil pessoas no mercado de trabalho. A taxa de desemprego, assim, bateu novo recorde. O número de desempregados na região já é de 2,044 milhões. Os dados são da pesquisa do convênio Dieese-Seade.

Assim falou... João Paulo Cunha

“A vida na Câmara continua, e as nossas também. Eu queria só comunicar isso a todos vocês de uma forma singela.”

Do presidente da Câmara (PT-SP), ao anunciar que não tentaria colocar em votação, novamente, a emenda que permitiria sua recondução ao cargo em fevereiro do ano que vem. O texto foi rejeitado em sessão na quarta-feira.

O asno de Buridan

Já ouviram falar do asno de Buridan? Simboliza, a um só tempo, a indecisão e o dilema. Está prestes a morrer de fome entre a água e a alfafa. A opção por qualquer um dos dois é trágica: come uma e morre de sede, bebe a outra e morre de fome. Foi mais ou menos o que se deu com o Planalto, na quarta-feira, durante a votação da emenda que permitiria a reeleição dos presidentes da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), e do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

A emenda foi rejeitada. Ganham com a decisão os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Aloizio Mercadante (PT-SP), o ministro Antonio Palocci, o PMDB e o PFL. Perdem, é claro, Sarney e João Paulo, mas também o governo Lula, que conseguiu criar uma crise sem nenhuma ajuda da oposição. O governo perdeu o controle sobre sua base e talvez tenha de enfrentar a revanche de pessoas que foram chave nos seus primeiros 500 dias.

* A coluna é produzida pelo site Primeira Leitura – www.conjur.com.br

Revista Consultor Jurídico, 21 de maio de 2004, 10h50

Comentários de leitores

1 comentário

Enquanto o Governo permanecia relutante em conc...

Ivan (Advogado Autônomo)

Enquanto o Governo permanecia relutante em conceder o polpudo empréstimo do BNDES às Organizações GLOBO, esta exercia pressão cada vez maior, culminando com o escândalo Waldomiro Diniz na revista Época (da Globo). O governo cedeu, o empréstimo saiu, e agora vemos a Globo "dourando a pílula", mesmo diante dos números alarmantes de desemprego (o Jornal Nacional, por ex., dá uma ênfase muito maior aos "novos postos de trabalho que abriram...", tentando diminuir a frustração do brasileiro comum). Mas o fato é que estamos metidos numa NAU SEM RUMO, onde nem os integrantes do PT, "Pau nos Trabalhadores", DIGO, Partido dos Trabalhadores, se entendem... Triste realidade.

Comentários encerrados em 29/05/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.