Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Fabíola, um exemplo.

Morte de Fabíola Bernardi cobre de luto a Justiça Federal

Por 

Conheci Fabíola Bernardi pela lista dos juizes federais e depois pessoalmente, em Brasília. Muito me surpreendia a forma delicada e educada com que sempre se manifestava, mas com muita firmeza e determinação.

Não havia uma discussão sobre os juizados especiais da qual ela não

participasse. Aos poucos, fui tendo mais contatos com ela, tanto na reparação do Encontro Nacional dos Juizes Federais, como nas diversas vezes em que a encontrei em Brasília.

Fiquei surpreso, assim como tantos de nós, com sua opção de mudar-se para Tabatinga. Mas essa surpresa cessou, tão logo vi seu entusiasmo por Tabatinga, tudo que por lá se desenvolvia na preparação de uma nova prestação jurisdicional. E quase todos nós, com certeza, dividíamos com ela esse entusiasmo.

Estávamos muitos de nós, com ela, em Tabatinga, ou melhor, cada um de nós tínhamos a nossa própria Tabatinga, isto é, a vontade de fazer mais e melhor, em locais onde faltam cidadania e justiça. Ouso dizer que Fabíola nos entusiasmava e em sua alegria, redescobríamos porque afinal, com tantos problemas e incertezas, éramos magistrados federais.

Pela lista, ela repartiu sua alegria em ser sorteada para o evento do CJF em Belém.

Ontem, ao chegar em casa, via na televisão a notícia da queda de um avião. A primeira coisa que lembrei foi que do local de origem do avião tínhamos uma colega, uma amiga, uma mulher plena de vida e alegria.

Pela manhã, recebi a ligação do colega Paulo Sérgio Domingues, confirmando que Fabíola estava no avião. Depois, Flávio Dino também me ligou e me confirmou esse fato. E a partir daí, entre triste e chocado, acompanhei as notícias do triste evento.

Disso tudo retirei algumas conclusões: A primeira é que Fabíola era uma mulher extraordinária e que na sua fé na Justiça Federal, nos JEF´s e em sua interiorização, não titubeou em sacrificar algumas comodidades, ainda que poucas, para ir prestar jurisdição na mais distante vara federal do Brasil.

A segunda é que devemos nos espelhar nela, em sua abnegação, para acreditar na Justiça Federal, fazer dessa crença um testemunho de fé num Brasil melhor e prestar sempre a melhor jurisdição possível, em que pese as dificuldades que apareçam em nosso caminho.

A terceira é que lutar pelo fortalecimento dos JEF´s, por sua estruturação e pela plena interiorização da Justiça Federal é uma necessidade e essa luta é a melhor homenagem que podemos prestar a essa pessoa maravilhosa.

A quarta, que precisamos ter plenas condições para exercer nossa jurisdição com a segurança, qualidade e agilidade que a população brasileira deseja e merece e essa luta é de todos nós e não apenas daqueles que dirigem a AJUFE.

Não sei quem escreveu que as pessoas não morrem, elas ficam encantadas. Acredito que Fabíola sempre foi encantada e com seu exemplo de vida, ainda que breve, nos encantou a todos.

A homenagem que a AJUFE pode fazer para Fabíola é jamais esquecer seu exemplo, jamais esquecer seu trabalho.

 é presidente da Ajufe — Associação dos Juízes Federais do Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 16 de maio de 2004, 2h26

Comentários de leitores

3 comentários

Perdeu a Justiça Federal, perdeu o Brasil, perd...

Rozemberg (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Perdeu a Justiça Federal, perdeu o Brasil, perdemos todos nós que buscamos a realização da Justiça.

Os despachos da Dra. Fabiola escritos a mão era...

Lino de Carvalho Cavalcante ()

Os despachos da Dra. Fabiola escritos a mão eram sua característica pessoal; eles engrandeciam o processo, pois ali havia a manifestação intima do juiz. De inicio fiquei surpreso com aquele modo de agir, mas depois compreendi que ali residia o trabalho do verdadeiro juiz, pois oferecia, também, a oportunidade de contesta-los; não era posições vazias, mas despachos substanciais, consistentes e sólidos. Quantos vezes fui ao seu gabinete com novos argumentos e ela sensatamente justificava suas posições. Quando ela decidiu ir para o norte, nós, militantes do juizado de Brasília, ficamos surpresos! Como ela deixava a Capital Federal para se embrenhar nas matas amazônicas! Mas compreendi, pois ela seu modo de ser; ela não almejava a gloria e as honras, mas somente o triunfo da justiça e ali na selva ela entendeu que poderia aplicar a justiça. Que Deus a tenha.

O magistrado representa para a sociedade uma se...

José Raimundo Sousa Ribeiro ()

O magistrado representa para a sociedade uma segurança muito grande contra as arbitrariedades e o abuso de poder. O que encanta é quando esse trabalho é feito com amor e com um ideal de justiça. Um exemplo a ser seguido.

Comentários encerrados em 24/05/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.