Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Encontro de camaradas

Jantar reúne Lula com os presidentes da Câmara, Senado, STF e STJ

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou de um jantar, na noite desta segunda-feira (28/6), com os presidentes do Senado, José Sarney, do Supremo Tribunal Federal, Nelson Jobim, e do Superior Tribunal de Justiça, Edson Vidigal, na casa do presidente da Câmara dos Deputados, João Paulo Cunha.

O presidente da Câmara dos Deputados disse que a responsabilidade de cada Poder e a importância de eles se unirem, falando a mesma linguagem, foi o principal tema do jantar. "Foi uma demonstração de que os três poderes do Brasil estão pactuados com os olhos no futuro", disse.

"Nós estamos com a direção do Judiciário nova, tanto o presidente do STJ como o presidente do STF, daí o presidente da República e nós, do Legislativo, conversamos sobre isso: um pacto que permita pensar o futuro no país de forma mais justa", afirmou.

Ao ser indagado se o encontro serviu para falar uma mesma linguagem, depois de alguns desacertos entre os poderes, João Paulo respondeu: "Não. Inclusive porque nós não nos reportamos ao passado. Passado é passado, e nós estamos olhando para frente. As nossas preocupações, tanto do Judiciário como do Legislativo e do Executivo estão voltadas para o futuro; é com base no futuro que nós conversamos".

Para João Paulo, o Brasil vive um momento em que é preciso uma unidade política forte. "Essa unidade política dos poderes ajuda muito o país nesse momento. Independentemente do que passou, do que foi falado, do que foi feito, o que importa é olhar para frente", afirmou.

Sobre a convocação extraordinária do Congresso, João Paulo disse que existe um calendário para ser cumprido até o dia 8 de julho e ele será trabalhado até esse dia com muita determinação pela Casa.

"Vamos tentar votar a maior parte das coisas que estão na Câmara e, acredito, também no Senado e vamos avaliar no dia 8. Não vamos antecipar a agonia do final”. (Agência Brasil)

Revista Consultor Jurídico, 29 de junho de 2004, 20h48

Comentários de leitores

3 comentários

Seria impossível imaginar que o ágape não tinha...

Miguel Roumié ()

Seria impossível imaginar que o ágape não tinha agendado o assunto da inconstitucionalidade da contribuição previdenciária dos inativos? Ou será (não é pecado sonhar) que o ágape serviu para acalmar a vontade arrecadadora do Executivo que inclui tal matéria? Se o jantar aproxima os Tres Poderes, está na hora da Alta Direção Nacional (os Tres Poderes) acalmarem a população brasileira que está descaindo para a desconfiança geral. É preciso, sim, de vez em quando o povo ser chamado a jantar com os Tres Poderes, fazendo-lhe retornar o que de mais precioso existe na politica: a confiança nos dirigentes. O que hoje a maioria da população pensa não se se restringe a atual Cupula mas se origina de muitos governos anteriores que nunca se preocuparam, por exemplo, no poder aquisitivo e sim no fortalecimento dos bancos, empresas e alguns outros setores, os quais se tornaram pontos privilegiados da economia e não sustentáculo da economia!

Dr. Limírio Urias Gomes, advogado, professor, e...

Limírio Urias Gomes (Advogado Autônomo)

Dr. Limírio Urias Gomes, advogado, professor, ex-verador em São José do Rio Preto SP Sabe de uma coisa? Nunca vi tanta hipocrisia junta. A tripartição dos poderes pregada em verso e prosa, por Montesquieu, nunca esteve tão longe como agora, no Brasil. Essa tripartição de poderes independentes e harmônicos entre si, base sustentáculo da democracia ocidental, no Brasil quase nada existe. Existe isso sim, "o rei" federal, os vice-reis estaduais e os príncipes municipais, vale dizer o Presidente da República, os Governadores e os Prefeitos Municipais. É uma verdadeira ditadura do executivo, que tem a caneta que nomeia, que distribui verbas. O pior de tudo isso, é que já estamos vivendo na "ditatura lulista das greves". Hoje, começa a greve do judiciário, já existe a da saúde, a dos fiscais aduaneiros, etc., etc.. Como pode um país que cometeu o absurdo, o desatino de votar em um torneiro-chefe-das-greves brasileiras, para presidente da república? Ainda bem, que o povo que o elegeu, já está consciente da burrice, da estultice que cometeu, pois Lula tem hoje apenas 25% de aprovação popular. Também, comprando um avião de milhões de dólares, como fez, enquanto o povo está desempregado e faminto, somente assim o povo estava recuperando a sanidade mental. Prof. Dr. Limírio Urias Gomes oab 31.435, E-mail limiriogomes@ig.com.br celular (17) 9701.0107

Quem pagou a conta?

Candeeiro (Advogado Autônomo)

Quem pagou a conta?

Comentários encerrados em 07/07/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.