Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Brasil adentro

Busato destaca a importância da advocacia no interior do país

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Roberto Busato, destacou nesta quinta-feira (23/6), no município de Corrente, a 900 quilômetros de Teresina (PI), a importância da advocacia do interior do país, classificada por ele como “a verdadeira advocacia de trincheira”.

“Sinto-me muito mais presidente da OAB aqui porque é aqui que está a verdadeira advocacia, a advocacia de trincheira, a mais avançada da sociedade brasileira”, disse Busato, num discurso durante cerimônia em sua homenagem na subseção da OAB de Corrente.

Na primeira etapa da série de visitas que fará até sábado (26) às subseções do estado do Piauí, Busato destacou a importância do advogado do interior do país e dos problemas que eles sofrem, principalmente em relação às suas garantias profissionais. “Este profissional é o que mais padece da quebra de prerrogativas, de sua liberdade na profissão perante a autoridades, às vezes despóticas e que não entendem o trabalho do advogado”, afirmou.

Na cerimônia, Roberto Busato entregou as novas carteiras de advogados da OAB do Piauí, entre elas a de número 977, de Osmar Lobão. O advogado tem 77 anos de idade e atua há 30 anos em Corrente. “É uma emoção muito forte a que estou vivendo agora. Estou muito feliz, pois jamais imaginei encontrar e poder cumprimentar um presidente nacional da OAB aqui, na minha cidade”, afirmou o advogado.

Leia o discurso de Busato

Não há profissão mais humana e mais solidária que a de advogado. Isso nos tem diferenciado ao longo do tempo. O advogado é tão diferenciado que é o único profissional que tem várias casas. Ele tem a sua casa, tem o seu escritório, tem também a sala dentro do Fórum e tem este imóvel, que é a Casa do advogado e é a Casa do povo.

A nossa profissão se exterioriza além do nosso ganha pão e dos afazeres diários, nos torna cidadãos qualificados e diferenciados. Eu tenho muita satisfação de vir aqui para resgatar um débito histórico que o Conselho Federal da OAB tem com a advocacia brasileira. Começo aqui, por Corrente, essa caminhada pelo interior do país, para mostrar aos advogados que a entidade está a seu lado. Onde houver um advogado, a Ordem dos Advogados do Brasil estará lá.

E nós, que participamos da história desta República, temos que continuar unidos. Unidos e solidários, uns com os outros, ainda temos muito a fazer por este Brasil. Nós vivemos num país de excluídos, num país de Justiças das mais diversas e temos que nos sobressair, mostrando que podemos mudar o nosso tempo. É este símbolo que quero deixar a vocês, como o primeiro presidente nacional vindo da advocacia do interior do país, do interior do Paraná. Venho trazer a nossa solidariedade e dizer que as prerrogativas profissionais de todos vocês, a valorização de vocês, passa por todo o comando do Conselho Federal da OAB.

Eu agradeço a todos pelos esforços na luta do dia-a-dia do Direito, no dia-a-dia como cidadãos e dizer que vocês fazem parte da maior organização civil do Brasil, que é a OAB. Sempre que for necessário, tenham certeza de que estarão ao lado de vocês o Álvaro (Álvaro Fernando da Rocha Mota, presidente da Seccional da OAB-PI), a Fides Angélica (conselheira federal da OAB pelo Piauí) e eu.

Agradeço a todos e aproveito esta ocasião para fazer a entrega de credenciais que a Ordem do Piauí trouxe para os advogados. Esta carteira simboliza a modernidade da Ordem, que mudou seu sistema de identificação e ainda irá mudar muitas coisas para ficar ao lado do advogado, principalmente o do interior do Brasil.

Este profissional é o que mais padece da quebra de prerrogativas, de sua liberdade na profissão perante a autoridades, às vezes despóticas e que não entendem o trabalho do advogado. Eu me sinto muito bem aqui em Corrente. Sinto-me muito mais presidente da OAB aqui porque é aqui que está a verdadeira advocacia, a advocacia de trincheira, a mais avançada da sociedade brasileira.

Revista Consultor Jurídico, 24 de junho de 2004, 13h04

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 02/07/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.