Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Para quem quer casa

Associação de mutuários lança manual da casa própria

A Associação Brasileira dos Mutuários da Habitação (ABMH) lança nesta quarta-feira (23/6) em todo o país o Manual da Casa Própria. A publicação traz dicas para quem pretende adquirir casa ou apartamento financiado pelo Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e por outras diferentes formas, como consórcio, cooperativa, imóvel na planta.

"Todas as formas são explicadas e as vantagens e desvantagens de cada uma são analisadas", diz o consultor jurídico da ABMH, Rodrigo Daniel dos Santos. O guia será distribuído gratuitamente em quase todos os estados, onde a associação mantém sucursais ou escritórios de representação.

O manual indica a possibilidade do futuro comprador, de utilizar o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), assim como a documentação necessária para evitar falhas no processo que possam levar o agente financiador a recusar o cadastro.

Fornece ainda modelo de contratos de compra e venda, entre outras dicas. "A publicação destina-se a todos aqueles que querem comprar imóveis, evitando dores-de-cabeça futura", afirma Santos.

De acordo com o consultor, que é autor de projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados propondo modificações no SFH, cerca de 30% das pessoas que procuram as sucursais da entidade em todo o país vão em busca de explicações sobre as formas de financiamento. "As pessoas estão com um pé atrás com os financiamentos e, muitas vezes, ficam sem qualquer orientação sobre a melhor forma de comprar sua casa", avalia Santos.

O Manual da Casa Própria trata exclusivamente das opções para a compra do imóvel. Em agosto, a ABMH vai lançar outro guia apontando os caminhos para aqueles que compraram um imóvel financiando, mas que encontram problemas com aumento das prestações e do saldo devedor.Outras informações no site: www.abmh.org.br.

Segue o Manual da Casa Própria:

1. Planejamento e Ação

Calma!

Você pensou, pensou e chegou a conclusão que deve comprar sua casa-própria.

Muito bem, é uma decisão muito importante na sua vida e você deve agora agir com bastante paciência.

Vamos ter que escolher a melhor forma para realizar esta compra, dentro da sua realidade econômica e social, para que esta compra não se torne um pesadelo.

Portanto, desista de começar a olhar imóveis. Primeiro leia este Manual e descubra como e quanto você vai poder pagar por um imóvel, para só depois escolher um imóvel dentro da sua realidade.

Bom, você já fez as contas de quanto pode pagar por mês para ter um imóvel? Faça esta conta. Não é difícil: coloque num papel o seu salário e dele subtraia as despesas com alimentação, vestuário, educação, lazer, etc. O que sobrar é o que você vai poder empregar neste sonho.

Veja também quanto você dispõe para dar de entrada: um carro, o saldo do FGTS, o 13º salário, enfim, algo que possa dar o pontapé inicial da compra.

Pense: se você optar por financiar um imóvel, você fazendo uma poupança prévia de 1 ano do mesmo valor que pagaria de prestação, você economiza 2 anos de prazo de pagamento do financiamento, ou seja, trabalha um ano a menos para pagar o imóvel.

Agora vamos as modalidades de compra da casa própria.

2. Quais as formas de Aquisição da Casa Própria? Quais as vantagens e desvantagens de cada uma destas formas de aquisição? Quais os cuidados a tomar em cada uma delas?

Existem diversas formas de aquisição da Casa Própria, assim como cada uma tem suas vantagens e desvantagens, bem como, cada uma exige cuidados específicos. Vejamos:

A - Compra à Vista

A primeira forma, embora pareça óbvia, é a compra a vista. Para realizar tal hipótese, a pessoa deve procurar fazer uma poupança durante alguns anos, e então usa-la para a compra da casa. A complementação da poupança pode ser obtida com o saque de eventual conta do FGTS – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, cujas hipóteses trataremos logo abaixo.

A vantagem da Poupança Programada é que você irá comprar um imóvel à vista, sem dever nada a ninguém, ou seja, o valor que você pagaria num financiamento ou consórcio você poupa. Por outro lado, se a pessoa tiver qualquer problema durante o prazo da poupança programada, ela pode simplesmente parar de poupar e nada perderá, o dinheiro continuará lá. A desvantagem é que você só terá acesso a compra de um imóvel com 4 ou 5 anos de poupança.

Ao escolher poupar o dinheiro para a compra do imóvel futuramente, a pessoa deve verificar as opções de investimento do dinheiro com menor risco e maior retorno disponíveis. A poupança propriamente dita paga os menores juros do mercado, mas é garantida até R$ 20.000,00 pelo BACEN em caso de quebra do banco. Aplicações em fundos de renda fixa dão um rendimento maior que a inflação mensal, mas não são garantidos pelo BACEN, ou seja, muita cautela ao escolher o banco que vai guardar seu suado dinheiro.

Revista Consultor Jurídico, 23 de junho de 2004, 15h41

Comentários de leitores

1 comentário

Gostaria de uma orientação,acabei de adquirir a...

Pato (Comerciante)

Gostaria de uma orientação,acabei de adquirir a compra da minha casa própria direto com proprietário,gostaria de saber que cuidados devo ter em relação a documentação. Obrigado

Comentários encerrados em 01/07/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.