Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ação e reação

Procuradores reagem à reportagem da IstoÉ sobre Anaconda

Procuradores-regionais da República em São Paulo enviaram carta à revista IstoÉ em resposta à reportagem intitulada “A gula da Cobra”. A revista publicou texto onde afirma que os responsáveis pela Operação Anaconda teriam utilizado escutas telefônicas clandestinas e não teriam investigado os fatos captados nas interceptações feitas com respaldo judicial (veja abaixo link sobre o texto).

Segundo a revista, as conversas interceptadas, que viriam incriminar os juízes acusados de negociar sentenças judiciais, viraram prova em si, sem a devida checagem.

Na carta, os procuradores afirmam que a IstoÉ está sendo processada civil e criminalmente pelos juízes Ali e Casem Mazloum. E que isso explica o motivo de a reportagem não observar “parâmetros mínimos de responsabilidade profissional” ao fazer a notícia.

Os cinco procuradores que assinam a carta ainda afirmam que os repórteres “em nenhum momento procuraram os membros do Ministério Público Federal para ao menos ouvir ‘o outro lado’, como mandam os bons manuais do jornalismo decente”.

Segundo eles, as interceptações telefônicas produzidas pela Operação Anaconda “estão confirmadas por documentos, depoimentos de testemunhas, perícias e demais provas realizadas ao longo da instrução processual, sendo levianas as afirmações da reportagem”.

Leia a carta enviada à revista

À Revista IstoÉ

"A gula da cobra", Ed. 1809

A revista IstoÉ está sendo processada, civil e criminalmente, pelos juízes Ali e Casem Mazloum. Isso explica a lamentável inobservância de parâmetros mínimos de responsabilidade profissional e os leitores, mais uma vez, ficaram desinformados pelos repórteres Antonio Carlos Prado e William Novaes que, dando como inquestionável a versão dos réus, em nenhum momento procuraram os membros do Ministério Público Federal para ao menos ouvir "o outro lado", como mandam os bons manuais do jornalismo decente. Por respeito aos leitores, informamos que:

1) as interceptações telefônicas produzidas nos processos da chamada "Operação Anaconda" estão confirmadas por documentos, depoimentos de testemunhas, perícias e demais provas realizadas ao longo da instrução processual, sendo levianas as afirmações da reportagem;

2) o Subprocurador-Geral da República Antonio Augusto César foi denunciado pelo Procurador-Geral da República Cláudio Lemos Fonteles e pela Subprocuradora-Geral da República Cláudia Sampaio Marques perante o Superior Tribunal de Justiça, que deferiu a quebra dos sigilos bancário e fiscal, bem como a realização de diligências de busca e apreensão, realizada em suas residências (SP e DF) e em seu gabinete na PGR. Procedimentos disciplinares e de apuração de improbidade administrativa encontram-se em andamento;

3) O Habeas Corpus fornecido à revista provavelmente pelos réus tramita em segredo de justiça e foi impetrado por Procuradores Regionais da República em favor de Policiais Rodoviários Federais ameaçados pelo juiz Ali Mazloum. Não se destina a barrar investigações, mas a impedir perseguições e constrangimento ilegal impostos pela inusual atuação de Procurador da República sem atribuição funcional ou territorial para o caso.

Ana Lúcia Amaral, Janice Agostinho Barreto Ascari, Luiza Cristina Fonseca Frischeisen, Marcelo Antonio Moscogliato e Mário Luiz Bonsaglia, Procuradores Regionais da República em São Paulo.

Revista Consultor Jurídico, 9 de junho de 2004, 18h44

Comentários de leitores

14 comentários

Acompanho a Operação Anaconda desde o início,e ...

Ana ()

Acompanho a Operação Anaconda desde o início,e quanto a reportagem da revista IstoÉ achei excelente pois até que emfim a midia começou a mostrar a realidade do caso Anaconda para a sociedade!!Parabenizo os repórteres;William Novaes e Antonio Carlos Prado! Gostaria de saber onde está a justiça para os acusados da Operação pois pelo que sabemos a inteligencia da PF não esteve presente no caso,pois realizou interceptações telefônicas irregulares ou seja ''editadas'',PRENDEU um cidadão por engano durante 11 dias, e ainda acusou muitas pessoas sem provas concretas de crime!!até mesmo as testemunhas de acusação não conseguiram em qualquer momento provar nada,depois de quase 1 ano e meio de investigações!Acho um absurdo manter 9 pessoas presas durante todo este tempo(30 de outurbro) sem ter um porque convincente de provas!!!!tenham minha santa paciência!!

Que me desculpe o sr. Leonardo Vilherna, mas pe...

Silvia F. Tomacchini ()

Que me desculpe o sr. Leonardo Vilherna, mas pelo que é sabido é que para se receber uma denúncia não se leva em conta o princípio "in dubio pro reo". E o que parece claro é que a reportagem da revista Istoé pretendeu demonstrar as trapalhadas da Polícia Federal, que se baseou unicamente em grampos para incriminar pessoas. Não investigou. Por isso é que acabou incriminando uma pessoa morta, uma pessoa foi presa no lugar de outra, nomes foram trocados, presentes recebidos na realidade não foram etc. Essa é a questão: não se investigou.

Tenho acompanhado este caso desde o início e ve...

Marcos P. Scherian ()

Tenho acompanhado este caso desde o início e vejo que muitos ainda estão desinformados. Em primeiro lugar, o bacharel Julio Roberto: não foi encontrado dinheiro na casa "dos magistrados", mas apenas na casa da ex-esposa do magistrado Rocha Matos. Em segundo lugar, "os juízes estão presos". Errado. O único juiz preso é também o Sr. Rocha Matos. Quanto ao Promotor Leonardo Vilhena: concordo em parte. Os juízes que receberam a denúncia também devem ser criticados. O mais é puro espírito de corpo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 17/06/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.