Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ensino em baixa

Quase 70% são reprovados no exame de Ordem no Rio Grande do Norte

Dos 271 inscritos no exame de Ordem da seccional do Rio Grande do Norte da Ordem dos Advogados do Brasil, apenas 84 candidatos foram aprovados na segunda fase dos testes e vão receber a carteira para exercício da advocacia.

O índice de reprovação é de 69%. O resultado ainda pode sofrer pequena alteração em razão da apresentação de recursos, cujo prazo se encerra nesta segunda-feira (7/6).

Tal índice está próximo da média de 74% de reprovação das seccionais onde os resultados já foram divulgados. Já apresentaram os dados dos últimos exames os estados de Goiás, Pará, Paraná, Tocantins e o Distrito Federal.

O presidente da seccional do Rio Grande do Norte, Joanilson de Paula Rêgo, afirmou que o alto número de reprovados reflete a tendência nacional de queda na qualidade do ensino oferecido pelas instituições aos estudantes de Direito. Nos últimos dez anos, o número de faculdades de Direito no Brasil saltou de 270 para mais de 700.

A OAB-RN ainda trabalha suas estatísticas para divulgar os nomes das faculdades que mais aprovaram alunos entre os inscritos. Até o momento, a entidade só dispõe dos dados de aprovação por estabelecimento de ensino na primeira fase.

Na fase objetiva, exemplos de bons índices de aprovação foram os da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, que teve 68 de seus 76 inscritos aprovados; Universidade Estadual do Rio Grande do Norte, com 31 aprovados entre 40 inscritos; e da Universidade Potiguar, com 61 aprovados entre 104 inscritos.

Para frear o crescimento de faculdades de Direito, o Ministério da Educação suspendeu por 180 dias o protocolo de novos pedidos de autorização para a abertura de cursos. A intenção do MEC é impor requisitos mais rígidos para a abertura e funcionamento de novos cursos nesta área.

“Faz-se necessária essa parada para a conscientização em torno da gravidade do problema da falta de qualidade no ensino jurídico”, afirmou Joanilson Rêgo. “Essa suspensão foi um acerto do MEC, o que nos deixa tranqüilos quanto à atuação da OAB na busca para colocar à disposição dos jurisdicionados profissionais à altura de nosso tempo”.

Revista Consultor Jurídico, 7 de junho de 2004, 9h05

Comentários de leitores

4 comentários

EXAME DA OAB SEJA MAIS UM APROVADO ...

Carlos (Advogado Sócio de Escritório)

EXAME DA OAB SEJA MAIS UM APROVADO O Exame da OAB está cada vez mais difícil. Na verdade, não só o exame, como os concursos públicos também. Quem não se preparar para valer não consegue a aprovação. Parece que agora o CESPE irá elaborar os Exames da OAB. Isso faz com que as provas fiquem ainda mais difíceis. Não adianta ficar reclamando, dizendo que está difícil o Exame ou querendo desistir. Esse não é o caminho. Só não passa quem desiste. Se outros passaram, você é capaz também, mesmo que demore um pouco mais. É necessário estudar muito e ter um bom material para os seus estudos, e isso nós temos. CD-ROM com milhares de questões resolvidas de diversos Exames da OAB, 1ª, 2ª fase e peças processuais. Dicas, macetes e muito mais!!! Contate-nos para maiores informações: Carlos Rodrigues Tel.: (11) 8139.4074 – 3863.9780 e.mail: berodriguess@ig.com.br

Concordo, em parte, com o estudante Freitas, ti...

Sartori (Advogado Autônomo - Criminal)

Concordo, em parte, com o estudante Freitas, tirante seu bióco, pois, há velhos advogados que são preparados e verdadeiros exemplos para os estudantes e novos bacharéis. No se esqueça o jovem estudante de que "plus valet experientia senectudinis, quam sapientia jovinis", isto é, mais vale a experiência de um velho advogado do que a sabedoria de um jovem. Contudo, o exame da OAB deixa muito a desejar: ma primeira fase, em determinadas ocasiões, muito defíceis os testes, em outras, fácil. O problema está na 2ª fase, em que vige a total sujetividade dos colegas encarregados da correção das proivas. Há canditados brilhantes, que não logram passar na 2ª fase, dada a subjetividade dos examinadores; há canditatos fracos que logram ser aprovados. Lamentavelmente, o órgão de classe não se preocupa com outras teses arguidas por alguns canditados, que têm de se restringir e se bitolar ao critério por adotado. O número de provas é imenso, impedindo que os exeminadores lêem, com fino tamiz, todas as provas. Por que não se distribui as provas a todos advogados militantes, honrados e competentes? Assim agindo, evitar-se-iam injustiças.

Fico de certa forma "feliz" com o resultado des...

Osvaldo Monte Neto ()

Fico de certa forma "feliz" com o resultado desse índice, o que mostra que a OAB está preocupada com o nível de nossos profissionais e interessada em refinar o mercado com bons operadores do direito, coibindo inclusive, o "oba oba" que encontramos na abertura de novos cursos de direito, o que me dará a certeza de que, no futuro, quando for prestar exame da OAB, o mercado não estará cheio de PROFISSIONAIS MEDÍOCRES.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/06/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.