Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Arma de brinquedo

Uso de arma de brinquedo em roubo não justifica punição maior

O uso de arma de brinquedo em roubo não justifica o aumento da pena nem o regime prisional mais gravoso. O entendimento é da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça, que concedeu regime semi-aberto a Fernando Paulo Marinho e Marcelo Alves dos Santos. Os dois foram condenados por assaltar uma empresa de ônibus portando arma de brinquedo. A sentença de primeiro grau havia decretado regime prisional fechado aos réus.

De acordo com o processo, no dia 30 de novembro de 2000, em Suzano (SP), os réus, mediante ameaça exercida por arma de brinquedo, roubaram uma quantia de R$ 70,00 da empresa de ônibus Viação Suzano Ltda. O Juízo de primeiro grau condenou os acusados a cumprir 5 anos e 6 meses de prisão em regime fechado. O juiz de Direito afirmou que a sentença se justificava pelo concurso de agentes no crime e o emprego de arma para intimidar as vítimas.

Inconformada, a defesa dos acusados apelou com habeas corpus ao Tribunal de Alçada Criminal de São Paulo para reduzir a pena imposta aos seus clientes. Os advogados pretendiam que fosse aplicado regime prisional semi-aberto aos condenados. O Tribunal de Alçada Criminal paulista rejeitou a apelação e negou o pedido do habeas corpus.

O Tacrim considerou que "o roubo foi consumado, tanto que os assaltantes tinham a posse tranqüila do produto do crime quando surgiu a viatura policial, conforme esclarecem os próprios apelantes". O Tribunal alegou também que "a arma era semelhante à arma de fogo. Apta a aterrorizar as vítimas". E afirmou ainda que "o concurso dos agentes é comprovadamente caracterizado pela divisão das tarefas que exteriorizavam: enquanto Fernando ocupava-se em render a vítima e anunciar o assalto, Marcelo fazia a limpeza do caixa".

Após a decisão da segunda instância, a defesa dos assaltantes entrou com habeas corpus no STJ. Os advogados visavam o estabelecimento do regime prisional semi-aberto e o cancelamento do aumento da pena por emprego de arma de fogo, pois foi utilizada a de brinquedo no assalto. Afirmaram ainda que o regime prisional fechado foi imposto com o único argumento de gravidade do delito.

No STJ, o ministro Paulo Medina, relator do processo, concedeu o habeas corpus para estabelecer regime semi-aberto aos incriminados. O ministro alegou que "o regime prisional fechado, mantido pela Corte de Alçada sem qualquer alusão específica, está assentado apenas na gravidade do delito de roubo, genericamente considerada, sem indicar qualquer circunstância capaz de, objetivamente, justificar tal decisão".

O ministro Paulo Medina concluiu que "equivocado, portanto, o entendimento do Tribunal a quo (Tacrim-SP), tanto ao manter a causa de aumento de pena considerada pelo Juízo de primeiro grau em razão do emprego de arma de brinquedo, quanto ao sustentar o regime prisional mais gravoso. Do mesmo modo, estando o regime mais gravoso assentado apenas na gravidade genérica do roubo, de rigor a concessão do regime mais favorável, eis que a pena fixada enquadra-se nos parâmetros inscritos na legislação penal pertinente e as circunstâncias judiciais são favoráveis ao réu". (STJ)

Processo: HC 27.669

Revista Consultor Jurídico, 26 de setembro de 2003, 12h57

Comentários de leitores

7 comentários

Entao se a arma for real mas estiver descarrega...

Deivide (Outros)

Entao se a arma for real mas estiver descarregada ou tiver defeito que nao permita o tiro, é o mesmo caso que a de brinquedo?

PAULO SERGIO - estudante aprediz de direito ...

Paulo Sergio Rodrigues Escudero ()

PAULO SERGIO - estudante aprediz de direito Discordo dos Srs Doutores( Dra Amanda, Dr Luiz e o nosso excelente Magistrado), uma vez que com certeza jamais foram assaltados como eu, estando diante de uma arma de brinquedo ( réplica perfeita de uma Beretta 9mm- Italiana) à noite com sua esposa no carro. Graças a Deus ao reagir não matei os dois bandidos, pois com certeza se dependesse deles estaria no lugar onde estão agora NA CADEIA. Vamos daqui a pouco comparar o ofencividade da arma de brinquedo com ursinho de pelucia. Parabéns novamente para a bandidagem neste pais onde quanto mais estudo direito, mais sei que direito não temos .... Abraço ao SRs Rodolfo e José Carlos.

Correto o entendimento do e. STJ.Verdade seja d...

Amanda ()

Correto o entendimento do e. STJ.Verdade seja dita:não há, na maioria das vezes, como saber se a arma que lhe apontam para a cabeça é verdadeira ou não, portanto é inequivocadamente apta a atemorizar.Contudo, o aumento de pena previsto na lei se dá pelo uso de arma e brinquedo, ainda que idêntico não é arma,é brinquedo. A punição contida no CP diz respeito à periculosidade do objeto e não ao subjetivo da vítima.Na ânsia de combate à grande violência que assola o país a sociedade acaba não considerando tais elementos e condena a atitude daquele que dão à lei sua verdadeira interpretação.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 04/10/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.