Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

CPI do Banestado

CPI do Banestado ouve Nicéa Camargo sobre obras de Pitta e Maluf

A CPI mista do Banestado vai ouvir o depoimento de Nicéa Camargo, ex-mulher do ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta, nesta terça-feira (16/9), às 11h. Convocada por iniciativa da senadora Serys Slhessarenko (PT-MT), Nicéa deve confirmar à CPI as informações que forneceu ao promotor Silvio Marques, de São Paulo, sobre a cobrança de propinas nas obras da avenida Águas Espraiadas e do Túnel Airton Senna nas administrações de Paulo Maluf e Celso Pitta. O dinheiro teria sido enviado para contas bancárias em paraísos fiscais.

Em depoimento à CPI, o promotor relatou ter recebido de Nicéa a informação de que os recursos desviados das obras da avenida e do túnel eram entregues a doleiros, que providenciavam a sua remessa para o exterior, utilizando contas CC5 abertas no Banestado de Foz do Iguaçu (PR). Segundo Nicéa, Paulo Maluf recebia 20% dos valores desviados das obras e Celso Pitta, quando assumiu a Prefeitura, "herdou" de seu antecessor o direito de ficar com 15% do dinheiro pago a título de propina.

No dia seguinte ao depoimento de Marques, Nicéa telefonou para a senadora e se colocou à disposição da CPI do Banestado para prestar esclarecimentos. Nicéa confirmou à senadora as informações do promotor de que Maluf, Pitta e outras autoridades da prefeitura paulistana recebiam propina da construtora Mendes Júnior e que os recursos eram oriundos do superfaturamento das referidas obras.

O senador Antero Paes de Barros, presidente da CPI, espera que Nicéa revele em seu depoimento os números de contas e nomes das empresas off shore utilizadas para enviar ao exterior os recursos desviados das obras.

Audiência pública

Na quarta-feira (17/9), também às 11h, a CPI do Banestado fará uma audiência pública para ouvir quatro ex-funcionários do Banestado acusados de envolvimento no esquema ilegal de recursos ao exterior.

Entre os convocados está o ex-gerente de câmbio da agência do Banestado na rua 15 de novembro, em Curitiba, Eraldo Ferreira, responsável pela abertura de contas de brasileiros no exterior, e o ex-gerente da agência do Banestado em Grand Cayman, Ricardo Franczyk.

Também devem depor o ex-gerente de Foz do Iguaçu, Valderi Werle, e um dos ex-gerentes da agência de Nova Iorque, Valdir Antonio Perin, que no período 1996/2002 respondia pela movimentação de contas de estrangeiro naquela agência.

A CPI do Banestado marcou, ainda, dois depoimentos para quinta-feira (18/9). Estão convocados o ex-governador do Paraná, Jaime Canet Júnior, e o ex-diretor da Unimed São Paulo, José Ricardo Savioli. Segundo o senador Paes de Barros, os dois figuram como remetentes de dinheiro para o exterior através de contas CC5 abertas em Foz do Iguaçu. (Assessoria de imprensa do senador Paes de Barros)

Revista Consultor Jurídico, 15 de setembro de 2003, 18h28

Comentários de leitores

1 comentário

Caros Colegas. Não entendo as razões para esse ...

Írio Dantas da Nóbrega ()

Caros Colegas. Não entendo as razões para esse assunto obscuro fugir da mídia nos últimos tempos. Não sei se existe ausência de interesse da própria mídia e dos Poderes da República na análise mais profunda desses fatos, que envergonham o nosso país. Esse era o momento para esclarecermos, vez por todas, esses fatos, demonstrando nossa indignação e separando o joio do trigo.

Comentários encerrados em 23/09/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.